Gênero, Sexualidade e as Relações Paradoxais da Construção de Arquivos no Mundo da Arte

Milena Costa de Souza

Resumo


Este artigo reflete sobre as possibilidades de se conceituar o arquivo e debate de que maneira a imaginação arquivista pode nos aproximar ou distanciar de artistas e projetos que abordam questões de gênero e sexualidade. Entendo que as produções artísticas que discutem gênero e sexualidade são historicamente invisibilizadas ao mesmo tempo que vêm integrando arquivos em formação desde o ponto de vista de suas fisicalidades e presenças institucionais, sobretudo, aqueles criados a partir de processos curatoriais, projetos expositivos e eventos artísticos. Para aprofundar-me nessas relações, analiso eventos recentes do mundo da arte com foco especial para a 31aBienal de São Paulo (2014), a exposição La bestia y el soberano (Barcelona - 2015) e Queermuseu (2017). O objetivo central se dá em compreender algumas das dificuldades que envolveram a realização de tais projetos e como estas dificuldades, ao mesmo tempo que sustentam a necessidade de criação de novos arquivos, podem ser entendidas enquanto obstáculos que contribuem para a fragmentação de informações.

Palavras-chave


Arte. Arquivo. Gênero e Sexualidade.

Texto completo:

PDF/A

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



R. Sensorium, Curitiba, PR, Brasil, eISSN 2358-0437

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.

 

 

DOAJ - DIADORIM - LATINDEX - INFOBASE INDEX - MIAR

Locations of visitors to this page