Vestígios e Ruínas: Entre Piranesi, de Chirico e Lichtenstein

Rafael Fontes Gaspar

Resumo


Este artigo apresenta dois conceitos fundamentais da teoria iconológica desenvolvida por Aby Warburg, a Nachlebene a Pathosformeln, com o intuito de compreender como se dá a sobrevivência das formas na história da arte, como desaparecem e ressurgem em outros tempos. Deste modo, vai ser estabelecido através da sobreviência das formas, o pós-vidadas formas antigas sobre a representação da ruína, através de elementos arquitetônicos, que estão presentes nas gravuras de Giovanni Battista Piranesi e que ressurgem nas pinturas de Giorgio De Chirico e também em Roy Lichtenstein. Especificamente, as formas investigadas como uma imagem sobrevivente são observadas através dos tambores das colunas de templos e de antigas construções em ruínas, que representam a arquitetura greco-romana, assim sendo, analisada do período neoclássico até a arte moderna.


Palavras-chave


Artes Visuais; História da Arte; Ruínas;

Texto completo:

PDF/A

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Interdisciplinar Internacional de Artes Visuais - Art&Sensorium

R. Sensorium, Curitiba, PR, Brasil, eISSN 2358-0437

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.

INDEXAÇÕES:

DOAJ

MIAR

LATINDEX

DIADORIM

DOI

FACEBOOK

INSTAGRAM