A Estética do Vazio na Obra de Jorge Oteiza - Receptividades Geradas na Época da Bienal de 57

Bernardette Maria Panek

Resumo


Esta pesquisa tem como objetivo traçar e indagar os conceitos de vazio no pensamento de Jorge Oteiza. Investiga tais ideias desde os referenciais culturais próprios ao escultor, como os cromlechs bascos, até os mais distantes, a exemplo das esculturas megalíticas de San Agustín, na Colômbia. Uma vez que relativiza não apenas com a história da arte, quanto com a história cultural e social do homem. Com a finalidade de um entendimento na proposta aqui em questão, ou seja, nas diversas hipóteses que abarcam o conceito de vazio, esta análise se fundamenta mais extensamente em três de seus inúmeros escritos. Primeiramente Escultura Dinámica, de 1952, cujo texto centra o conceito de vazio conectado às hipóteses de tempo, assim como às particularidades do dinâmico em escultura. O segundo texto no qual este estudo se ampara consiste na Interpretación estética de la estatuária megalítica americana, publicado em 1952. Documento produzido durante sua instância na América Latina (1934-1948). A terceira obra de Oteiza seria o Propósito experimental 1956-1957, escrito que acompanha as esculturas enviadas à IV Bienal de São Paulo, o qual torna-se fundamental para as hipóteses aqui colocadas. Nele Oteiza explicita seu processo de trabalho, o erige como um propósito. A partir deste texto esta pesquisa inicia algumas conexões, enquanto cita o conceito de receptividade, com os artistas Franz Weissmann, Lygia Clark, Hélio Oiticica e os poetas Augusto e Haroldo de Campos.


Palavras-chave


Jorge Oteiza; vazio; estética; Bienal de São Paulo; receptividade

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



R. Sensorium, Curitiba, PR, Brasil, eISSN 2358-0437

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.

 

 

DOAJ - DIADORIM - LATINDEX - INFOBASE INDEX - MIAR

Locations of visitors to this page