MIGUEL RIO BRANCO E A ESTÉTICA MARGINAL

Amanda Lemos Gonçalves Santos

Resumo


Resumo: O presente artigo dedica-se a discutir a relação entre imagem fotográfica, imagem em movimento e a concepção materialista histórico-dialético no filmeNada levarei quando morrer, aqueles que mim deve cobrarei no inferno” (1980), dirigido por Miguel Rio Branco. A obra, caracterizada pelo próprio autor como "um documentário poético", reuni fotografias e vídeos do cotidiano de um bairro chamado Maciel, na região do Pelourinho, em Salvador/BA.

Palavras-chave: Miguel Rio Branco. Cinema. Fotografia.


Texto completo:

PDF

Referências


BAZIN, André. Qu'est-ce que le cinéma? Vol. Paris, Editions du Cerf, 1958. In: XAVIER, Ismail (org). A experiência do cinema. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

BENJAMIN, Walter. A Obra de Arte na Era de sua Reprodutibilidade Técnica. In: Magia e Técnica, Arte e Política. Ensaios Sobre Literatura e História da Cultura. Obras Escolhidas. Vol. 1. São Paulo, Brasiliense, 1994.

BOLLE, Willi. A metrópole: palco do flâneur. In. Fisiognomia da metrópole moderna: representação da história em Walter Bejamin. São Paulo: FEPESP: Edusp, 1994.

ROCHA, Glauber. Revisão crítica do cinema brasileiro. São Paulo: Cosac Naify, 2003


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Contato

Revista Científica / FAP

Rua dos Funcionários 1357 – Cabral

Curitiba - PR - 41 3250-7339 - 41 3250-7301

revista.mosaico@unespar.edu.br