Ensino-aprendizagem em aulas práticas sobre os conteúdos ‘órgãos dos sentidos’ e ‘sistema nervoso’: relato de uma experiência

Bruna Maria Caznok, Roberto Ferreira Artoni

Resumo


Muitas vezes, aprende-se não se preocupando com a natureza desse processo que é complexo, passando esse conhecimento a diante de forma apenas teórica. A formação atual dos profissionais da educação brasileira tem melhorado ao longo dos anos, mas ainda apresenta muitas deficiências. Por isso, mais do que nunca, é necessária a capacitação continuada dos professores. Com isso, se torna possível a renovação das aulas nas escolas, onde o docente ensina aos alunos por meio da observação e investigação com aulas práticas. Essas aulas práticas são de imensa importância para o processo de ensino-aprendizagem dos estudantes. O presente trabalho foi realizado na Escola Estadual José de Anchieta localizada no município de União da Vitória – PR, durante o período de dois meses na turma do nono ano, em 2016. Foram feitas no total seis aulas práticas com os alunos, intercaladas de aulas teóricas, para que com isso instigasse a curiosidade dos estudantes e tivesse uma melhoria na aprendizagem desses. Com isso, incentivar os professores e os alunos com aulas diferenciadas é essencial para que haja uma melhora no ensino nas escolas, sendo assim a chave à investigação dos conteúdos de aula, correlacionando-os com vivências de seu cotidiano.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, M. L. F.; MASSABNI, V. G. O desenvolvimento de atividades práticas na escola: um desafio para os professores de ciências. Revista Ciência e Educação, v. 17, n.4, p. 835-854, 2011.

AXT, R; MOREIRA, M. A, O ensino experimental e a questão do equipamento de baixo custo. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 13, n. 4, 1991.

BALBINOT, M. C. Anais do IV encontro Ibero-Americano de coletivos escolares e redes de professores que fazem investigação na sua escola, 4, 2005, Lajeado. Uso de modelos, numa perspectiva lúdica, no ensino de ciências. Lajeado: Universidade do Vale do Taquari, 2005.

BORGES, A. T. O papel do laboratório no ensino de Ciências. Atas do I Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino de Ciências. Porto Alegre: Edição da Universidade UFRGS, p. 2-11, 1997.

CUNHA, A. M. O.; KRASILCHIK, M. A formação continuada de professores de ciências: percepções a partir de uma experiência. Ata de 23ª Reunião Anual da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Educação. Caxambu: ANPEd, 2000.

DINIZ, R. et al. Animais em aulas práticas: podemos substituí-los com a mesma qualidade de ensino? Revista Brasileira de Educação Médica, v. 30, n. 2, p. 31-41, 2006.

FOUREZ, G. Crise no Ensino de Ciências? Revista Investigações em Ciências, v. 8, n. 2, p. 109-123, 2003.

KRASILCHIK, M. Reforma e realidade: o caso do ensino de ciências. Revista São Paulo em Perspectiva, v. 14, n.1, p. 85-93, 2000.

KRASILCHIK, M. Prática de Ensino de Biologia. 4. ed. São Paulo: Edusp, 2011.

LEITE, L. Contributos para uma utilização mais fundamentada do trabalho laboratorial no ensino de ciências. In H.V. Caetano e M.G. Santos (Orgs), Cadernos Didáticos de Ciências, v. 1. Lisboa: Ministério da Educação, Departamento do Ensino Secundário (DES), p. 77-96, 2001.

MARTINS, I. P.; VEIGA, M. L. Uma Análise do Currículo da Escolaridade Básica na Perspectiva da Educação em Ciências. Lisboa: Editora Instituto Inovação Educacional, 1999.

MORAES, R. Construtivismo e Ensino de Ciências: Reflexões Epistemológicas e Metodológicas. 3. ed. Porto Alegre: Editora EDIPUCRS, 2008. 230p.

NARDI, R. Educação em Ciências: Da Pesquisa à Prática Docente. 4. ed. São Paulo: Escrituras Editora e Distribuidora de Livros Ltda, 2010.

ORLANDO, T. C. et al. Planejamento, Montagem e Aplicação de Modelos Didáticos para Abordagem de Biologia Celular e Molecular no Ensino Médio por Graduandos de Ciências Biológicas. Revista Brasileira de Ensino de Bioquímica e Biologia Molecular. Universidade Federal de Alfenas (Unifal -MG), p. 1 –17, 2009.

POLIT, D. F.; BECK, C. T.; HUNGLER, B. P. Fundamentos de Pesquisa em Enfermagem: métodos, avaliação e utilização. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.

SETÚVAL, F. A. R.; BEJARANO, N. R. R. Os modelos didáticos com conteúdos de genética e a sua importância na formação inicial de professores para o ensino de ciências e biologia. Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2009.

TEIXEIRA, P. M. M. A educação científica sob a perspectiva da pedagogia histórico-crítica e do desenvolvimento C.T.S. no ensino de ciências. Ciência e Educação, v. 9, n. 2, p. 177-190, 2003.

THIOLLENT, M. Metodologia da Pesquisa-ação. 2. ed. Cortez: São Paulo, 1986.

VASCONCELOS, C. et al. Teorias de aprendizagem e o ensino/aprendizagem das ciências: da instrução à aprendizagem. Psicologia Escolar e Educacional, n◦ 1. 2003.

WARD, H. et al. Ensino de Ciências. 2. ed. São Paulo: Editora Artmed, 2010.

ZÔMPERO, A. F.; LABURÚ, C. E. Atividades investigativas no ensino de ciências: aspectos históricos e diferentes abordagens. Revista Ensaio, v. 13, n. 3, p. 67-80, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.