Diagnóstico do ensino de astronomia nas escolas da região do contestado

Henrique José Schipanski, Huilquer Francisco Vogel

Resumo


Para sanar defasagens no ensino de astronomia, a Secretária do Estado de Educação do Paraná, instituiu as Diretrizes Curriculares da Educação Básica (DCEs) e o Caderno de expectativas de aprendizagem (CEA). No estado vizinho (Santa Catarina), o ensino é norteado pelos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNS). Assim, objetivou-se: (a) testar a hipótese que as DCEs e o CEA proporcionam efeito norteador, aumentando o aprendizado sobre conhecimentos de astronomia e (b), determinar quais conhecimentos específicos possuem  maior defasagem de ensino. Entre 2015 e 2016 foram aplicados questionários em escolas de Porto União/SC e União da Vitória/PR. Os dados foram analisados por meio de estatística univariada e análises de variância. Os estabelecimentos de ensino que utilizam as DCEs e o CEA não apresentaram diferenças em relação àqueles que utilizam os PCNS em termos de desempenho na avaliação aplicada. Contudo, houve diferentes taxas de pontuação entre séries, 44±2% para 6º ano, 56±1% para 7ºano 28±6% para 8º ano e 22±8% para 9º ano. Isso demonstra que conteúdos do 6º e 7º anos, são mais bem compreendidos pelos alunos. A maior defasagem encontra-se no ensino de conteúdos de 8º e 9º ano.


Texto completo:

PDF

Referências


AROCA, S. C.; SILVA, C. C. Ensino de astronomia em um espaço não formal: observação do sol e de manchas solares. Revista Brasileira de Ensino de Física, v.33, n.1 p.1 – 11, 2011.

BAPTISTA, G. C. S. A importância da reflexão sobre a prática de ensino para a formação docente inicial em ciências biológicas. Revista Ensaio, v. 5, n. 2, p. 4-12, 2003.

CALLEGARI-JACQUES, S. M. Bioestatística: Princípios e Aplicações. 1. ed. Rio Grande do Sul: Artmed, 2008. 255p.

CASTELFRANCHI,Y.; VILELA, E. M.; LIMA L. B.; MOREIRA, I. C.; MASSARANI,L. As opiniões dos Brasileiros sobre ciência e tecnologia: o “paradoxo” da relação entre informações e atitudes. Revista História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v.20, n. 1, p. 1163-1183, 2013.

DARROZ, L. M.; HEINECK. R.; PÉREZ. C. A. S. Conceitos básicos de Astronomia:uma proposta metodológica. Revista Latino-Americana de Educação em Astronomia – RELEA, v.(s/v), n.12, p.57-69, 2011.

DIAS, C. A. C. M.; RITA, J. R. S. Inserção da astronomia como disciplina curricular do ensino médio. Revista Latino-Americana de Educação em Astronomia –RELEA, (s/v), n.6, p. 55-65, 2008.

DUTRA, C. M. ; GOULART, A. R. Determinando a forma da órbita de Marte no ensino médio. Revista Latino-Americana de Educação em Astronomia – RELEA, (s/v) n.18, p. 11-25, 2014.

FRÓES, A. L. D. Astronomia, astrofísica, e cosmologia para o ensino médio. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 36, n.3, p. 1-15, 2014.

HACKLING, M.W.; RAMSEGER, J.; CHEN, H.L.S. Quality Teaching in Primary Science Education: Cross-cultural Perspectives. 1.ed. Suiça: Springer, 2016.

IBGE Porto União. Disponível em: . Acessado em 05 nov. 2016.

____União da Vitória. Disponível em: .Acessado em 05 nov. 2016.

JOVCHLEVICH, P.; ARAUJO, F. L. Influência dos ritmos lunares sobre o rendimento da cenoura (Daucus carota) em cultivo biodinâmico. Revista Brasileira de Agroecologia, v.3, n.1, p.49-57, 2008.

LANGHI, R. Um estudo exploratório para inserção da astronomia na formação de professores dos anos iniciais do ensino fundamental. 2004, 243 f. Dissertação de Mestrado (Mestrado em educação para ciência). Programa de pós graduação em educação para a ciência, Universidade Estadual Paulista, 2004.

LANGHI, R. ; NARDI, R Ensino de astronomia, erros conceituais mais comuns presentes em livros didáticos de ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física,v. 24, n. 1, p.87-111, 2007.

LANGHI, R.; NARDI, R. Interpretando Reflexões de futuros professores de física sobre sua prática profissional durante a formação inicial: A busca pela construção da autonomia docente. Investigações em Ensino de Ciências, v.16, n.3, p.403-424, 2011.

LANGHI, R.; SCALVI, R. M. F. Aproximações entre as comunidades científica, Amadora e escolar: Estudando as potencialidades de observatórios astronômicos para a educação em astronomia. Instrumento – Revista de estudo e pesquisa em educação, v.15, n.1, p.25-38, 2013.

LEITE, C. Os professores de ciências e suas formas de pensar a astronomia. 2002, 165 f. Dissertação de Mestrado (Mestrado em ensino de ciências –modalidade física). Instituto de física e faculdade de educação, Universidade de São Paulo, 2002.

LUGLI, R.S.G.; MELLO, H.D.; FREITAS, P.F.; NOVAES, L.C. Documentos curriculares de ensino fundamental 2: uma análise balizada por temas do debate curricular do país. Cadernos Cenpec, v.5, n.2, p.166-186, 2015.

NANTES, E. A. S; GUERRA, A.L.; PINHO, E.C.S; SIMM, J.F.S. Ferramentas Digit@is e Educação Básica: Lacunas Entre a Teoria e a Prática Docente. Revista de Ensino, educação e Ciências Humanas. v.17, n.1, p.53-65, 2016.

OLIVEIRA, K. S. F.; SARAIVA, M. F. O. Astronomia e Astrofísica. 1. ed. Rio Grande do Sul: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2014. 810p.

PARANÁ. Diretrizes (2008). Diretrizes Curriculares da Educação Básica Ciências: promulgado em 2008. 1. ed. Paraná: Secretária de Estado da Educação do Paraná, 2008. 88p.

_______. Caderno (2012). Caderno de Expectativas de Aprendizagem: promulgado em 2012. 1. ed. Paraná: Secretária de Estado da Educação do Paraná,

104p.

PECHULA, M.R.; POZO, L.; BOCANEGRA, C.H. Considerações sobre o ensino de ciências e a utilização de materiais didáticos midiáticos: possibilidades e limites. Revista Contra Pontos, v. 12, n.2, p. 145 – 153, 2012.

RAMIRES, M.; BARELLA, W. Ecologia da pesca artesanal em populações caiçaras da estação ecológica de Juréia-Itatins, São Paulo, Brasil. Interciência, v.28, n.4, p.208-213, 2003.

ROCHA, J.F.V.; MEDEIROS, J.R.; SOUZA, C. A. W.; SILVA, A.R.; LAVOURAS, D.F.; DOTTORI, H.A.; MAIA, M.A.G.; POPPE, P.C.R.; MARTINS, R.V. Comunicações, Olimpíada Brasileira de Astronomia. Caderno Brasileiro do Ensino de Física, v.20, n.2, p. 257 – 270, 2003.

RIGOTTI, J. I. R. A transição da escolaridade no Brasil e as desigualdades regionais. Revista Brasileira de Estudos de População, v.18, n.1, p.1-15, 2001.

SANTOS, C.A.; VALEIRAS,V. Currículo interdisciplinar para licenciatur em ciências da natureza. Revista Brasileira de Ensino de Física. v.36, n.2, p.1-12, 2014.

SCHELEIGH, S. P.; SLATER, S. J.; SLATER, T. F.; STORK, D. J. the new curriculum standards for for astronomy in The United States. Revista Latino Americana de Educação em Astronomia - RELEA, v.(s/v), n. 20, p. 131 151, 2015.

SLATER, S. J.; SLATER, T. F. Questioning The Fidelity Of The Next Generation Science Standards For Astronomy And Space Sciences Education. Journal of Astronomy & Earth Sciences Education, v.2, n.1, p.51-64, 2015.

STATSOFT. STATISTICA (data analysis software system). www.statsoft.com, 2007. 196 Mb. Plataforma windows.

TONDEUR, J.; BRAAK, J.V.; SIDIQQ, F.; SCHERER, R. Time for a new approach to prepare future teachers for educational technology use: Its meaning and measurement. Computers & Education. v.95, n. (s/n), p.134-150, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.