Utilização de Hortas Orgânicas Como Ferramenta Para Educação Ambiental

Franciele Zanardo Bohm, Paulo Alfredo Feitoza Böhm, Isabela Cristina Rodrigues, Marcelo Percílio Santana Júnior

Resumo


Resumo: Hortas orgânicas constituem um modo de produção de alimentos sustentável que respeita o meio ambiente e a saúde humana. Trata-se de uma importante ferramenta para se trabalhar educação ambiental com diferentes faixas etárias. A educação ambiental não se resume a um conceito, mas a um processo que envolve a formação de um cidadão justo, consciente com os recursos que utiliza e responsável por suas ações. O objetivo deste trabalho foi de ensinar o modelo orgânico de produção de hortaliças, assim como a importância deste sistema de produção. A metodologia empregada neste trabalho consistiu em visitas na horta orgânica da Unespar, campus de Paranavaí, para conhecer as etapas para a construção de uma horta, aplicação de questionários e construção de pequenas hortas nas escolas de Paranavaí e região. Durante a visita e a construção das hortas discutiu-se a metodologia de produção de alimentos com a redução de lixo principalmente orgânico, o conceito de segurança alimentar, evidenciado pela qualidade do alimento produzido nas hortas orgânicas, que são livres de toxinas e a educação ambiental. O projeto proporcionou o suporte necessário tanto de materiais como técnico para que as hortas pudessem ser construídas e mantidas. A execução deste trabalho foi importante para contribuir com a formação de cidadãos responsáveis com o meio ambiente onde estão inseridos. Disseminou a construção de novas hortas orgânicas nas escolas e foi um instrumento para educação ambiental. Os alunos cuidam do espaço da horta na escola e relatam que foi um estímulo para construção das hortas em suas casas. As hortas orgânicas produzem mais que alimentos, elas são um modelo para que novas hortas sejam construídas. 


Texto completo:

PDF

Referências


BANCO DE ALIMENTOS. Estatuto do bom samaritano. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2016.

BRASIL. Ministério de Educação e do Desporto. Referencial curricular nacional para educação infantil. Brasília, DF: MEC, 1998.

BRASIL. Presidência da República, Decreto Federal No 7.794, de 20 de agosto de 2012, Institui a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica. 2012.

CUNHA, B. S. da e GUERRA, A. J. T. Impactos Ambientais Urbanos no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

FAO. FAO Statistical Pocketbook 2015 world food and agriculture. Roma: Itália. 2015. 236p

GONDIM, J. A. M., MOURA, M de F. V, DANTAS, A. S. MEDEIROS, L.R.S. SANTOS, K.M. Centesimal composition and minerals in peels of fruits. Ciênc. Tecnol. Aliment., v. 25, n. 4, p. 825-827, Oct./Dec. 2005.

MAGALHÃES, A. M. A horta como estratégia de educação alimentar em creche. 2003. 120 f. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

MERGULHÃO, M. C.; VASAKI, B. N. G. Educando para a conservação da natureza: atividades práticas em educação ambiental. 2. ed. São Paulo: EDUC Editora da PUC, 2002.

MENDONÇA, R. Educação Ambiental vivencial. In: Encontros e Caminhos: Formação de Educadoras(es) Ambientais e Coletivos Educadores. Luiz Antonio Ferraro Júnior (org.). Brasília: MMA, Diretoria de Educação Ambiental. Volume 2. 352 p. pág 116-129, 2007.

REIGOTA, Marcos. O que é educação ambiental. São Paulo, Brasiliense, 2006.

REIS, J. O caminho de um divulgador. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 34, n. 6, p. 800-816, 1982.

TURANO, W. A didática na educação nutricional. In: GOUVEIA, E. Nutrição Saúde e Comunidade. São Paulo: Revinter, 1990. 246 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.