A utilização de charges como estratégias didáticas para o ensino de ciências

Iolanda Estevão Duarte, Rachel Carolina da Silva Saraiva, Marcelo Diniz Monteiro de Barros

Resumo


A fim de investigar a viabilidade da proposta do uso da charge como estratégia didática e, baseando-se nos eixos temáticos e temas transversais propostos pelos PCNs, realizou-se a pesquisa com o objetivo de demonstrar as possíveis contribuições dessa ferramenta para o Ensino de Ciências. Foram analisadas charges publicadas nos jornais Estado de Minas e Folha de São Paulo, em um período de seis meses, entre Abril e Setembro de 2013, totalizando 366 charges, dentre as quais foram selecionadas 41 do jornal Estado de Minas e 33 do jornal Folha de São Paulo, perfazendo um total de 74 charges adequadas ao propósito da pesquisa. Observou-se que o jornal Estado de Minas apresentou charges que, em geral, abordam temas relacionados à saúde, enquanto o jornal Folha de São Paulo traz charges com assuntos relacionados à política e economia. Em uma visão geral, percebeu-se maior frequência do eixo temático “Ser Humano e Saúde”, enquanto “Terra e Universo” foi o menos encontrado. Em relação aos temas transversais, “Saúde” e “Ética” tiveram grande destaque, enquanto “Orientação Sexual” e “Pluralidade Cultural” não tiveram muita visibilidade nas charges analisadas. O universo das charges se mostrou muito fértil para o âmbito educacional, há um imenso acervo disponível nos meios de comunicação e que pode ser facilmente acessado, o que propicia uma gama de possibilidades para a realização de novos trabalhos de investigação nessa área.

Texto completo:

8-26

Referências


ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 4. ed. São Paulo: Cortez; 2005. 102p.

BORGES, A. M. V. A charge eletrônica e a formação do leitor. UENP (PG). Revista Do Sell v.1, n.1. Triângulo Mineiro, 2008. – Simpósio de estudos linguísticos e literários. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2013.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC - SEF, 1997a.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Apresentação dos Temas Transversais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC - SEF, 1997b.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais : Ciências Naturais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC - SEF, 1998.

BRASIL. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Educação para jovens e adultos: ensino fundamental: proposta curricular - 2º segmento. São Paulo: Ação Educativa; Brasília: MEC, 2002. V.3 239p.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 36. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2007. 148p.

MACEDO, E. Temas transversais nos Parâmetros Curriculares Nacionais. Química Nova na Escola, São Paulo, v. 8, p. 23-27, 1998.

MACÊDO, J. E. T.; SOUZA, M. L. G. A charge no ensino de história. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2013.

MORETTI, F. Qual a diferença entre charge, cartum e quadrinhos? Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2014.

SILVA, C. L. M. O trabalho com charges na sala de aula. II Colóquio: Leitura e cognição, 2005, Santa Cruz do Sul. Caderno de Resumos. Santa Cruz do Sul: Editora IPR, 2005. v. 1. p. 25-25.

SILVA, E. I.; CAVALCANTI, L. S. A mediação do ensino-aprendizagem de geografia, por charges, cartuns e tiras de quadrinhos. Boletim Goiano de Geografia, Goiás, v.28, n.2, p.141-156. Jul./dez.2008.

SILVA, T. C.G. O Interdiscurso no gênero charge: um estudo do discurso humorístico sob a perspectiva da Análise do Discurso francesa. Domínio de Lingu@gem – Revista Eletrônica de Lingüística (UFU). V.6, n.1 – 1º semestre de 2012.

SOUZA, Maria L. G. Linguagens alternativas na construção do saber: charges e imagens nos livros didáticos. UFRN. Rio Grande do Norte, 2002: II Congresso Brasileiro de História da Educação.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.