Ensino de Biologia com situação problema sobre os biomas de mata atlântica e caatinga

Bernadete Fernandes de Araújo, Hilda Helena Sovierzoski, Mônica Dorigo Correia

Resumo


O Ensino de Biologia pode se configurar no envolvimento do contexto através de situações problema, possibilitando a interação entre os pares na construção de sentidos e significados. Partindo dessa assertiva foi que esse estudo objetivou avaliar as situações problema, aplicadas em uma sequência didática, no Ensino de Biologia, para ampliar a percepção dos estudantes do 3ª série do ensino médio de uma escola pública de Palmeira dos Índios, Alagoas, sobre a importância das plantas típicas dos biomas de Mata Atlântica e Caatinga. Esta pesquisa se caracterizou de natureza qualitativa, com abordagem explicativa, baseada na pesquisa-ação, apresentou como instrumento de coleta à observação dos participantes nas aulas, registro das respostas as situações problema e a gravação em vídeo das argumentações entre a professora e os alunos. Para a análise das respostas foi utilizada a análise de conteúdo.  Os resultados demonstraram que as situações problema contribuíram para a ampliação das percepções dos estudantes sobre a importância das plantas típicas desses biomas, assim como se identificou as limitações conceituais dos estudantes, que se constituiu em variáveis consideradas no ensino de Biologia com esses biomas.  Ademais, essa estratégia didática propiciou a inserção das concepções típicas do fazer Ciências.


Texto completo:

49-64

Referências


AZEVEDO, M. C. P. S. Ensino por investigação: problematizando as atividades em sala de aula. In: Carvalho, P. M. A. (org.). Ensino de ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

BRASIL, Secretaria de Educação Básica. Formação de professores do ensino médio, etapa II – caderno III: Ciências da Natureza? Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Curitiba: UFPR, 64p., 2014.

BACHELARD, G. A formação do espírito científico. Rio de Janeiro: Contrapontos, 1977.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: edições 70, 2011.

CACHAPUZ, A.; GIL-PEREZ, D. CARVALHO, A. M. P. A necessária renovação do ensino de ciências. São Paulo: Cortez 2005.

CARNEIRO, S. P.; DEL-FARRA, R. A. As situações-problema na aprendizagem dos processos de divisão celular. Acta Scientiae Canoas, v. 13 n.1 p.121-139,2011.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J.A. Metodologia do Ensino de Ciências. São Paulo: Cortez, 1991.

DELIZOICOV, D. Ensino de Ciências: fundamentos e método. 3a ed., São Paulo: Cortez, 2009.

DIEGUES, A. C.O mito da Natureza encantada. São Paulo: Núcleo de Pesquisa em Áreas Úmidas do Brasil, 1994.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 47ª ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 46ª ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

GEHLEN, S. T.; DELIZOICOV, D. A Dimensão Epistemológica da Noção de Problema na Obra de Vigotski: Implicações no Ensino de Ciências. Revista Investigações em Ensino de Ciências, v.17(1), 2012.

HALMENSCHLAGER, K. R. Abordagem Temática no Ensino de Ciências: Algumas possibilidades. Revista Vivências. V.7, N.13: p.10-21, 2011

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, infográficos: dados gerais do município de Palmeira dos Índios, Alagoas. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/painel/historico.php?lang=&codmun=270630&search=||infogr%E1ficos:-hist%F3rico. Acesso 10 de setembro de 2014.

KRASILCHIK, M.O professor e o currículo das ciências.São Paulo: E.P.U., 2012.

KATO, M.; TOMIKO, E.; MARDEN, A. A. Chemical constituents of stem bark of ZiziphusjoazeiroMartius.Revista de Farmácia e Bioquímica, São Paulo, v. 33, n. 1, p. 47-51, 1997

MUNFORD, D.; LIMA, M. E. C. C. Ensinar Ciências por investigação: em quê estamos de acordo?Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências, v. 9, n. 1, 2007.

MMA, Ministério do Meio Ambiente. Caatinga. Brasília, 2014. Disponível em:http://www.mma.gov.br/biomas/caatinga. Acesso no dia 08 dejaneiro de2014.

MÉHEUT, M. Teaching-learning sequences tools for learning and/or research. In: BOERSMA et al. (Ed.). Research and the quality of science education.Dordrecht: Springer, p.195-207, 2005.

PRAIA, J.; GIL-PEREZ, D.; VICHES, A. O Papel da Natureza da Ciência na Educação para a Cidadania.Ciência & Educação, v. 13, n. 2, p. 141-156, 2007.

PRADO, D.E. As Caatingas da América do Sul. In: LEAL, R.I.; TABARELLI, M.; SILVA, J.M.C. Ecologia e conservação da Caatinga. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2008. 823p.

PINTO, E. G. Caracterização da espumade jenipapo (Genipa americana L.) com diferentes aditivos visando à secagem em leito de espuma. Dissertaçãode mestrado em engenharia de alimentos da UniversidadeEstadual do Sudoeste da Bahia – Itapetinga, BA, 65 p., 2009.

SOLINO, A. P.; GEHLEN, S. T. Abordagem Temática Freireana e o Ensino de Ciências por investigação: Possíveis relações epistemológicas e pedagógicas. Investigações em Ensino de Ciências – V.19(1), pp. 141-162, 2014.

SCHUHLY W.; HEILMANN.; CALIS, I STCHER, O. NewtritepenoidsWith antibacterial lactivityfromZizyphusjoazeiro. Department of Pharmacy, Swiss Federal Institute of Technology, Zrich, Switzerland, 1999 in.: http://herbologiatotal.net63.net/Jua.html.Acesso 01 de janeiro de 2014.

SEVERINO, A. J. Metodologia do Trabalho Científico. 23ª ed. São Paulo: Cortez, 2007.

VIECHENESKI, J. P.; CARLETTO, M. R.Iniciação à Alfabetização Científica nos anos iniciais: contribuições de uma sequência didática. Investigações em Ensino de Ciências – V. 18(3), pp. 525-543, 2013.

VASCONCELOS, C.; AMADOR, M. F.; SOARES, R. B.; PINTO, T.F. Questionar, Investigar e Resolver Problemas: reconstruindo cenários Geológicos. Investigações em Ensino de Ciências, v. 17 (3), pp. 709-720, 2012.

VIGOTSKI, S.L. A Formação Social da Mente. 6ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. 2ª ed., São Paulo: Editora W.M.F. Martins Fontes, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.