Contribuições da epistemologia materialista histórico-dialética para o ensino de física

Franciele de Souza Caetano Vieira, Márcia Elida Domingos Prudêncio, Susy Pascoali

Resumo


Neste artigo são expostas algumas das causas para o problema que atinge as escolas, principalmente, no ensino médio: falta de professores na área de Física. Diante disso, tem-se como objetivo demonstrar possíveis razões que levam os alunos a resistirem ou não optarem pelo curso de licenciatura em Física em seus vestibulares. Ainda, traz as contribuições da epistemologia materialista histórico-dialética para o ensino de referida disciplina, como um possível meio para despertar maior interesse dos alunos em aprender e futuramente lecionar Física. As informações foram obtidas por meio de questionário aplicado em uma turma do último ano do ensino médio, dentre outras questões indagou-se como está sendo repassado o conteúdo de Física, qual é a preferência do aluno em relação à metodologia da aula e sua opção por Física como carreira profissional. Em suma, nas respostas as perguntas, a maioria dos alunos demonstrou falta de interesse pela disciplina por compreenderem que a mesma envolve apenas cálculos e por não conseguirem compreender a forma como os conteúdos são ministrados em sala de aula. Nesse passo, acredita-se que o método de ensino fundado na epistemologia materialista histórico-dialética configura-se em uma prática pedagógica que enseja apreender conhecimentos científicos vinculados à prática social, em seus movimentos e contradições, traduzindo-se em uma relevante formal para o exercício do ensino da disciplina de Física de caráter crítico e emancipador, podendo produzir no educando, além da compreensão do conteúdo, admiração pela aprendido e uma possível vontade de optar pela Física como carreira docente.


Texto completo:

PDF

Referências


BONADIMAN, H., A aprendizagem é uma conquista pessoal do aluno. O aluno como

mediador, oferece condições favoráveis e necessárias para está caminhada. UNIJUÌ –

Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, 2005.

BRASIL, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Informe estatístico da educação básica: evolução recente das estatísticas da educação básica no Brasil. Brasília: MEC / INEP / SEEC, 2013.

GADOTTI, M. Concepção dialética da educação: um estudo introdutório. São Paulo: Cortez, 2003.

GASPAR, A. Experiências de ciências para o Ensino Fundamental. São Paulo: Ática. 2005.

GASPARIN, J. L. Uma didática para a pedagogia histórico-crítica. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2005.

GERALDO, A. C. H. Didática de ciências naturais na perspectiva histórico-crítica. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2009.

KOSIK, K. A dialética do concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

KUENZER, A. Z. Ensino Médio: Construindo uma proposta para os que vivem do trabalho. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

LUCKESI. C. Filosofia da educação. São Paulo: Cortez, 1994.

MARX, K; ENGELS, F. A ideologia alemã (Feuerbach). 6ª ed. Trad. De José Carlos Bruni e Marcos Aurélio Nogueira. São Paulo: Hucitec. 1987.

______. Textos sobre educação e ensino. São Paulo: Editora Moraes, 1992.

PEDROSA, E. M. P; LEITE, L. S. A epistemologia dialética materialista e o ensino das ciências naturais. Educação. 2011. Disponível em: < file:///C:/User/HP_g4271br/Downloads/57-836-1-PB.pdf>. Acesso em: 14 ago. 2014.

SANTOS, C. S. dos. Ensino de ciências: abordagem histórico-crítica. Campinas: Autores Associados, 1ª edição, 2005.

TEIXEIRA, P. M. A. Educação científica sob a perspectiva da pedagogia histórico-crítica e do movimento c.t.s. no ensino de ciências. Revista Ciência e Educação, v. 9, n. 2, 2003.

VEIGA, I. P. A. A aventura de formar professores. Campinas, São Paulo: Papirus, 2009.

XAVIER, J. C. Ensino de Física: presente e futuro. Atas do XV Simpósio Nacional Ensino de Física, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.