Experimentação em sala de aula no ensino fundamental I: o prazer pela descoberta

Débora Ignácio Pires Marques, Jacqueline Aliende Barbeli Alcalá, Maria Lúcia Pedrozo Monte Forte, Marli Vizim

Resumo


O presente trabalho foi desenvolvido pelos alunos pibidianos juntos com a professora supervisora da educação básica, com o objetivo de demonstrar conceitos de ciências em atividades práticas. A alfabetização científica é um desafio nas práticas pedagógicas do ensino fundamental I exigindo a mediação do professor bem como, incentivos valorativos. No ensino das Ciências as questões de alfabetização e alfabetização científica devem considerar o contexto histórico e social da turma no desenvolvimento do trabalho pedagógico. Para tanto os alunos pibidianos realizaram um planejamento e prepararam materiais para desenvolver habilidades na Alfabetização Científica, em aulas de Ciências. Com base em estudos, esse trabalho teve como interlocutores teóricos Kamii e Drevies (1980), Carvalho (2010) e Sasseron (2008) entre outros, os quais auxiliaram na reflexão sobre a alfabetização científica no ensino de Ciências.  Neste processo de ensino-aprendizagem o aluno do EFI assume um comportamento ativo agindo sobre o objeto de investigação, procurando assim, uma explicação dos fenômenos naturais, a partir de suas ações e interações com o outro e com o meio. Quanto ao professor supervisor de sala de aula foi possível apropriar-se de diferentes práticas no ensino de ciência.  Os pibidianos em referência tiveram a oportunidade de observar como o professor deve e precisa organizar seu trabalho pedagógico, bem como formas diferentes de lidar com as situações de aprendizagem em sala de aula relacionando-a com o social e o meio ambiente.  Nesta relação entre pibidianos e os alunos do EFI envolvidos na pesquisa, houve avanços significativos na totalidade dos alunos quanto a participação e realização das atividades. Com relação à apropriação dos conceitos observou-se uma melhora significativa em mais da metade da classe e uma mudança no comportamento e no quesito responsabilidade profissional de forma generalizada em todos os alunos pibidianos envolvidos na pesquisa. 


Palavras-chave


PIBID, ciências, atividades práticas, alfabetização científica.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais: ciências naturais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF.

BRASIL. Ministério da Educação. (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, nº 9394 de 20 de dezembro de 1996. Brasília, 1996.

CAPECCHI, M. C. V. M.; CARVALHO, A. M. P. (2000). Argumentação em uma aula de conhecimento físico com crianças na faixa de oito a dez anos. Investigações em Ensino de Ciência . IENCI/UFRGS: Rio Grande do Sul, 5(3), 171-189.

CARVALHO, A. M. P. (Org.). (2004). Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Thomson.

CARVALHO, A. M. P. (2007). Habilidades de professores para promover a enculturação científica. Revista Contexto & Educação. Ed. Unijiú, ano 22, n. 77, 1-23.

CARVALHO, A. M. P. et al. (2010). Ciências no Ensino Fundamental: o conhecimento físico. São Paulo: Scipione.

CARVALHO, A. M. P.; SASSERON, L. H (2009). Argumentação e ensino de ciências. Curitiba: CRV.

FREIRE, P.; MACEDO, D. (1990). Alfabetização: Leitura da Palavra Leitura do Mundo. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

KAMII, C.; DREVIES, R. (1980). Jogos em grupo na educação infantil: implicações na Teoria de Piaget. São Paulo: Artmed.

OLIVEIRA, D. L. (Org.). (2002). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação.

SASSERON, L. H. (2008). Alfabetização Científica no Ensino Fundamental: Estrutura e Indicadores deste processo em sala de aula. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo: São Paulo.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. D. ( 2011). Construindo argumentação na sala de aula: a presença do ciclo argumentativo, os indicadores de alfabetização científica e o padrão de Toulmin. Ciência & Educação. Bauru, v. 17, n. 1, 97-114.

SAVIANI, D. (2005). Escola e Democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre a educação política. 37ª ed., Campinas, SP: Autores Associados.

THIOLLENT, M. (2002). Construção do conhecimento e metodologia da extensão. Texto apresentado em mesa-redonda, coordenada pelo Prof. José Willington Germano (Pró-reitor de Extensão da UFRN), no I CBEU – Congresso Brasileiro de Extensão Universitária - João Pessoa – PB, em 10 de novembro de 2002. (texto xerocopiado)

VEIGA, I.P.A. (2001). Projeto Político-Pedagógico: novas trilhas para a escola. In: VEIGA, I.P.A.;FONSECA, M. (Orgs) As dimensões do projeto político-pedagógico. Campinas, SP: Papirus.

Bibliografia Complementar

BAZERMAN, C.; HOFFNAGEL, J. C.; DIONÍSIO, A. P. (Orgs.). (2007). Escrita, Gênero e Interação Social. São Paulo: Cortez.

BIZZO, N. (2010). Ciências: fácil ou difícil? São Paulo: Biruta.

FURLANETTO, E. C.; MENESES, J. G. C.; PEREIRA, P. A. (2007). A escola e o aluno: relações entre o sujeito-aluno e o sujeito-professor. São Paulo: Avercamp.

LORENZETTI, L.; DELIZOICOV, D. (2001). Alfabetização Científica no contexto das séries iniciais. Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis: v.3. 1, 1-17.

MARQUES, D. I. P. (2011). A importância da Alfabetização Científica no Ensino Fundamental: o papel do professor mediador e as relações interpessoais em sala de aula. Trabalho de Conclusão de Curso, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

MENDONÇA, D. H.; AGUIAR JÚNIOR, O. G. (2000). As reações dos estudantes frente ao discurso científico escolar: identificando demandas nas perguntas e comentários críticos nas aulas de ciências. Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis.

NASCIMENTO, S. S.; PLANTIN, C. (Orgs.). (2009). Análise do Discurso, Argumentação e Ensino de Ciências. São Paulo: CRV.

THIOLLENT, M. (1996). Metodologia da Pesquisa-ação. 7ª ed., São Paulo, Cortez.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.