Abordagem temática no ensino de química: solubilidade e polaridade de substâncias orgânicas

Isabela Christo Gatti, Priscilla Lucia Cerqueira, Brenda Nunes da Silva, Márcia Maria Pinto Coelho, Andreia Francisco Afonso, Ivoni Freitas-Reis

Resumo


Este trabalho apresenta uma intervenção didática desenvolvida por bolsistas de iniciação à docência do subprojeto Química, integrante do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência da Universidade Federal de Juiz de Fora. A intervenção foi feita em uma das escolas parceiras, a partir de uma abordagem temática, com o tema Vitaminas, escolhido por estar bastante presente no cotidiano dos estudantes do Ensino Médio, a fim de abordar os conteúdos Solubilidade e Polaridade de substâncias orgânicas. Este projeto surgiu a partir da dificuldade que os alunos apresentavam para definir e explicar os conceitos. Assim, através de atividade experimental, modelagem e pesquisa, o tema foi trabalhado e relacionado ao conteúdo curricular. Vale ressaltar que durante as atividades, os discentes tiveram participação ativa e tornaram-se responsáveis pela construção seu próprio aprendizado, permitindo que desenvolvessem de maneira intrínseca uma compreensão sobre a natureza da ciência. A partir da análise dos pré e pós-testes aplicados, pudemos perceber uma evolução no desempenho dos discentes. Percebemos ainda, que mesmo não utilizando os termos associados às interações intermoleculares - dipolo permanente, dipolo induzido e ligação de hidrogênio - estes foram capazes de explicar fenômenos que tangem a solubilidade de substâncias orgânicas, transpondo o conhecimento químico para situações além daquelas colocadas nas atividades propostas.

Palavras-chave


química; abordagem temática; vitaminas

Texto completo:

PDF

Referências


ALLCHIN, Douglas. Teaching the Nature of Science: perspectives e Resources. In: SHiPS Education Press. Saint Paul, USA, 2013.

BRASIL, 2000. Parâmetros Curriculares Nacionais. Parte III – Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias.

CARDOSO, S. P.; COLINVAUX, D. Explorando a motivação para estudar química. In: Química Nova. v. 23, n. 3, 2000, p.401-404.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: uma possibilidade para inclusão social. In: Revista Brasileira de Educação. n. 22, 2003, p.89-100.

FERREIRA, P. F. M.; JUSTI, R. S. Modelagem e o “Fazer Ciência”. In: Química Nova na Escola, n. 28, 2008, p. 32-36.

GONÇALVES, F. P.; MARQUES, C. A. Contribuições pedagógicas e epistemológicas em textos de experimentação no ensino de Química. In: Investigações em Ensino de Ciências, v.11, n. 2, 2006, p.219-238.

HODSON, D. Experimentos em ciências e ensino de ciências. In: Educational Philosophy and Theory. v.20, 1988, p. 53-66.

FRANCISCO JÚNIOR, W. E. Uma abordagem problematizadora para o ensino de interações intermoleculares e conceitos afins. In: Química Nova na Escola. n. 29, 2008, p. 20-23.

MELO, M. R.; NETO, E. G. L. Dificuldades de ensino e aprendizagem dos modelos atômicos em química. In: Química Nova na Escola. v. 35, n. 2, 2013, p. 112-122.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa: um conceito subjacente. In: Aprendizagem Significativa em Revista. v.1, n. 3, 2011, p.25-46.

SANTOS, W. L. P.; MÓL, G. S.; SILVA, R.; CASTRO, E. N. F.; SILVA, G. S.; MATSUNAGA, R. T.; FARIAS, S. B.; SANTOS, S. M. O.; DIB, S. M. F. Química e sociedade: uma experiência de abordagem temática para o desenvolvimento de atitudes e valores. In: Química Nova na Escola. n. 20, 2004, p. 11-14.

SCHNETZLER, R.P.; ARAGÃO, R.M. Importância, sentido e contribuições de pesquisas para o ensino de Química. In: Química Nova na Escola. n.1, 1995, p.27-31.

SOLÁZ-PORTOLÉS, J. J. Sobre cómo el conocimiento científico intenta apriximarse a la realidad. In: Revista Brasileira de Ensino de Física. v.34, n.1, 2012, 1308-1 – 1308-5.

WARTHA, E. J.; REZENDE, D. B. Os níveis de representação no ensino de química e as categorias da semiótica de Peirce. In: Investigações em Ensino de Ciências. v.16, n. 2, 2011, p.275-290.

WENZEL, J. S.; MALDANER, O. A. A prática da escrita e de reescrita em aulas de Química como potencializadora do aprender Química. In: Química Nova na Escola, v.36, n.4, 2014, p.314-320.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.