“Cachoeira, lago, onda, gota, chuva miúda, fonte, neve e mar": as águas possibilitando infiltrar na formação docente em gênero e sexualidade

Cláudia Maria Ribeiro, Fábio Pinto Gonçalves dos Reis

Resumo


O artigo entretece as imagens simbólicas do imaginário das águas que brotam na letra da música “Eu e Água” de autoria do compositor Caetano Veloso e as temáticas de gênero e sexualidade nos processos de formação docente. Apresenta aspectos do projeto de extensão universitária aprovado pelo Proext/MEC/2015 intitulado “Borbulhando enfrentamentos às violências sexuais nas infâncias no sul de Minas Gerais”, coordenado pelo grupo de pesquisa Relações entre filosofia e educação para a sexualidade na contemporaneidade: a problemática da formação docente. Problematiza também o depoimento de uma pedagoga integrante do Fórum Sul Mineiro de Educação Infantil. Apresenta concepções de extensão universitária infiltradas nas experiências, nos dilemas, nos desafios e no desenvolvimento de ações formativas realizadas pelo grupo de pesquisa imerso nos estudos das teorizações pós-críticas, assumindo o compromisso ético político com a concepção de extensão universitária baseada nas metodologias pós-críticas ao fazer interface com pesquisas de intervenção social mais ampla, sobretudo, as que se correlacionam com a formação de professores/as quando as temáticas são afetas aos marcadores sociais de gênero, sexualidade, raça, etnia, religiosidade, geração e tantas outras diferenças. 


Palavras-chave


Formação docente. Indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão. Gênero. Sexualidade.

Texto completo:

201-215

Referências


AUGRAS, Monique. Imaginário da magia: magia do imaginário. Petrópolis, RJ: Vozes, Editora PUC, 2009.

BACHELARD, Gaston. O Direito de Sonhar. Tradução: José Américo Motta Pessanha, Jacqueline Raas, Maria Isabel Raposo, Maria Lúcia de Carvalho Monteiro. São Paulo: DIFEL, 1985.

_______. A Poética do Devaneio. Tradução: Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

_______. O Ar e os Sonhos. Ensaio sobre a Imaginação do Movimento. Tradução: Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes. 1990.

_______. A Terra e os Devaneios da Vontade. Ensaio sobre a Imaginação das Forças. Tradução: Paulo Neves da Silva. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

_______. A Dialética da Duração. 2ª edição. Tradução: Marcelo Coelho. São Paulo: Editora Ática S.A., 1994.

_______. A Água e os Sonhos: ensaio sobre a imaginação da matéria. Tradução: Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 1989. Coleção Tópicos.

_______. A Psicanálise do Fogo. 2ª edição. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Martins Fontes, 1999. Coleção Tópicos.

CAMARGO, Ana Maria Facciole de. Cultura e diferenças no cotidiano da escola e no currículo. RIBEIRO, Cláudia Maria (org). Tecendo gênero e diversidade sexual nos currículos da educação infantil. Lavras: UFLA, 2012.

CHEVALIER, Jean e GHEERBRANT, Alain. Dicionário dos símbolos. Mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Tradução de Vera da Costa e Silva, Raul de Sá Barbosa, Angela Melim, Lúcia Melim. Rio de Janeiro: José Olympio, 1998.

DELEUZE, Gilles, GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 1. Tradução de Ana Lúcia de Oliveira, Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa. São Paulo: Editora 34, 2011.

DELEUZE, Gilles. Gilles Deleuze. Crítica e Clínica. Tradução de Peter Pál Pelbart. São Paulo: Ed. 34, 1997.

DURAND, Gilbert. As Estruturas Antropológicas do Imaginário. Introdução à Arquetipologia Geral. Tradução: Helder Godinho. São Paulo: Martins Fontes, 1997. (Ensino Superior).

FOUCAULT, Michel. Outros Espaços. In: MOTTA, Manuel Barros da. Foucault. Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. Coleção Ditos & Escritos III. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001, p. 411-442.

GUATTARI, Félix e ROLNIK, Suely. Micropolítica. Cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1993.

UNO, Kuniichi e SANTOS, Laymert Garcia dos. Guattari. Confrontações/conversas com Kuniichi Uno e Laymert Garcia dos Santos. São Paulo: n-1 edições, 2016.

MISKOLCI, Richard. Pânicos morais e controle social – reflexões sobre o casamento gay. Cadernos Pagu, Campinas. V. 1, n. 28, p. 101-128. Jan./jun. de 2007.

NEIRA, Marcos Garcia. Educação Física cultural: carta de navegação. Arquivos em Movimento, v. 12, n. 2, p. 82-103, Jul/Dez 2016.

TRAVERSINI, Clarice Salete; ANDRADE, Sandra dos Santos; GOULART, Marcos Vinicius da Silva. A problematização em Foucault como ferramenta para analisar projetos de futuros jovens estudantes: insecções entre gênero e currículo. In: PARAÍSO, Marlucy Alves e CALDEIRA, Maria Carolina da Silva (orgs). Pesquisas sobre currículos, gêneros e sexualidades. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2018.

RAGO, Margareth. Libertar a História. Revista Aulas, v. 1, n. 3, p. 26-45, Mar 2015.

RIBEIRO, Cláudia Maria e ALVARENGA, Carolina Faria (orgs.) Borbulhando enfrentamentos às violências sexuais nas infâncias no sul de Minas Gerais. Lavras: UFLA, 2016.

RIBEIRO, Cláudia Maria e XAVIER FILHA, Constantina. Corsário Preso. Possibilidades e limites para navegar pelo conceito de gênero na Educação Básica. Revista Retratos de Escola, Brasília, v. 14, n. 28, jan./abr. 2020. p. 141-157.

SCHMITZ, Egídio. Caminhos da universidade brasileira: filosofia do ensino superior. Porto Alegre: Sagra, 1984.

SILVA, Maria das Graças. Extensão: a face social da universidade? Campo Grande: Editora da UFMS, 2000.

XAVIER FILHA, Constantina (org.). Sexualidades, Gênero e Infâncias no Cinema. Campo Grande, MS: Ed. UFMS, 2014.

VEIGA-NETO, Alfredo. É preciso ir aos porões. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, Anped, v. 17, n. 50, maio-ago, p. 267-282, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.