“Nenhum professor, em nenhuma matéria, nunca falou sobre educação sexual...”: gênero, sexualidade e educação na residência docente

Gustavo Macêdo do Carmo, Fernanda Bassoli, Felipe Bastos, Anderson Ferrari

Resumo


No presente artigo, discutimos o contexto de produção e as implicações de uma sequência didática (SD) sobre gênero e sexualidade, desenvolvida no âmbito de um programa de formação continuada de professores, o Programa de Residência Docente (PRD), com estudantes do 8º ano do Ensino Fundamental na disciplina de Ciências. A SD foi elaborada de forma colaborativa entre os autores deste trabalho e aplicada pela professora orientadora e professor residente, por meio da co-docência, que se constituiu como espaço/momento privilegiado de transformação das/dos estudantes e docentes. A SD inovou, ao possibilitar discussões sobre sexualidade através de uma interface entre os conhecimentos sociais e biológicos que perpassam o tema, fundamental para a formação das/dos estudantes e professoras/es, mas até então silenciado no contexto em questão, como expresso pela frase da aluna que intitula o texto. A partir do diálogo com autores da área de educação para sexualidade e da exploração dos conceitos de problematização e resistência, com base em Foucault, desenvolvemos o argumento central de que o trabalho com as relações de gênero e sexualidade nas escolas passa pelo investimento na formação, tanto de professoras/es, quanto de estudantes, de modo que o PRD assume grande importância nesse processo, materializando o papel da universidade e da escola – que, no caso da pesquisa, trata-se de um colégio de aplicação – como espaços indissociáveis de pesquisa, ensino e transformação de estudantes e docentes.

Palavras-chave


Gênero e sexualidade, Ensino de Ciências, Educação para a sexualidade, Formação de professores, Residência Docente

Texto completo:

113-129

Referências


ARAÚJO, M. S.; FERREIRA, A. P. P.; SILVA, L. A. S. “Ideologia de gênero” em uma turma de Licenciatura em Ciências Biológicas: é possível ter esperança? Revista de Ensino de Biologia da SBEnBio, v. 13, n. 2, p. 426-444, 2020.

BASSOLI, F.; RESENDE, A. C. C.; BASTOS, F. Debatendo sobre adolescência e sexualidade na escola: desafios e resistência. In: FALEIRO, W.; GONÇALVES, V. F.; VIGÁRIO, A. F. (Orgs.). Processos educativos em ciência da natureza na educação básica. Goiânia: Kelps, 2020, p.119-143. Disponível em: https://www.kelps.com.br/wp-content/uploads/2020/11/ebook_Processos-educativos-em-Ciencias-da-Natureza-na-Educacao-Basica-com-capa.pdf. Acesso em: 13 jun. 2021.

BASTOS, F.; ANDRADE, M. Cabe discutir gênero e diversidade sexual no ensino de Biologia? In: LIMA-TAVARES, D. et al. (Orgs.). Tecendo laços docentes entre Ciência e Culturas. Curitiba: Editora Prismas, 2016.

BASTOS, F. “Eu fico meio sem saber como eu vou falar isso assim, do nada”: Currículo, Diversidade Sexual e Ensino de Biologia. In: TEIXEIRA, P.P., OLIVEIRA, R.D.V.L.; QUEIROZ, G.R.P.C. (Orgs.). Conteúdos cordiais: biologia humanizada para uma escola sem mordaça. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2019.

BASTOS, F.; PINHO, R.; PULCINO, R. Diversidade sexual na escola: três perspectivas sobre silenciamentos de sujeitos e saberes. In: ANDRADE, M. (Org.). Diferenças silenciadas: pesquisas em educação, preconceito e discriminações. Rio de Janeiro: 7Letras, 2015.

BOOTH, T.; AINSCOW, M. Index para Inclusão: desenvolvendo a aprendizagem e a participação na escola. Tradução: Mônica Pereira dos Santos, PHD. 3ª Edição. Rio de Janeiro: Laboratório de Pesquisa, Estudos e Apoio à Participação e à Diversidade em Educação (LaPEADE), 2011, 192 p. (título original: Index for inclusion: developing learning and participation in schools)

BORBA, R. C. N.; ANDRADE, M. C. P.; SELLES, S. E. Ensino de Ciências e Biologia e o cenário de restauração conservadora no Brasil: inquietações e reflexões. Revista Interinstitucional Artes de Educar. Rio de Janeiro, v. 5 n. 2, 2019.

BUENO, R.; MACEDO, T. Inspire Ciências. São Paulo: Ed. FTD, 2018. vol 8.

BUTLER, J. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? 5. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

BUTLER, J. Corpos que importam: os limites discursivos do “sexo”. São Paulo: n-1 edições, 2019.

CARMO, G. M.; BASSOLI, F. Ensino de Ciências no contexto da pandemia de covid-19: percepção dos estudantes de 8º ano do ensino fundamental sobre o ensino remoto emergencial. In: 8º Encontro Nacional de Ensino de Biologia, VIII., 2021, online

CASTRO, R. P.; FERRARI, A. “Nossa drag queen institucional”: o que pode um corpo drag na escola? In: RIZZA, J. L. et al. (Orgs.). Tecituras sobre corpos, gêneros e sexualidades no espaço escolar, Rio Grande: Editora da FURG, 2019.

CÉSAR, M. R. A. Sexualidade e Gênero: ensaios educacionais contemporâneos. Instrumento, v. 12, n. 2, 2010.

RODRIGUES, A. C.; DIAS, J. M. T.; AMORIM, C. C. A formação continuada em um programa de residência docente: a experiência da UFJF. Formação Docente, Belo Horizonte, v. 13, n. 25, p. 31-42, set./dez., 2020. Disponível em: https://www.revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/435. Acesso em: 19 mar. 2021.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. Tradução Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

FOUCAULT, M. Polêmica, Política e Problematizações. In: Ética, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

JESUS, J. G. Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos. 2. ed. Brasília, 2012. Disponível em: http://www.diversidadesexual.com.br/wp-content/uploads/2013/04/G%C3%8ANERO-CONCEITOS-E-TERMOS.pdf. Acesso em: 09 mar. 2021.

OLIVEIRA, D. A.; FERRARI, A.; MACHADO, N. N. “Ninguém solta a mão de ninguém”: conectados/as em rede, resistimos. Revista Práxis Educativa, v. 14, n. 2, p. 659-677, 2019.

SCOTT, J. “Gênero: uma categoria útil de análise histórica”. In: HOLLANDA, H. B. Pensamento Feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019, p. 49-82.

TARDIF, M.; RAYMOND, D. Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educação & Sociedade, n. 74, p. 209-244, 2000.

XAVIER-FILHA, C. Educação para a(s) sexualidade(s): carregar água na peneira? Diversidade e Educação, v. 5, n. 2, p. 16-39, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.