Concepções de corpo, gênero e currículo na educação física do ensino médio

Phillip Vilanova Ilha, Alinne de Lima Bonetti, Vinícius Gonçalves Mariano

Resumo


Este artigo apresenta resultados de pesquisa qualitativa em torno das concepções de corpo, gênero e currículo entre professoras e professores de Educação Física de escolas da rede pública estadual de ensino de uma cidade da fronteira oeste do Rio Grande do Sul. Tal estudo tem como objetivo principal compreender a influência das concepções de corpo e gênero entre professoras e professores de Educação Física do Ensino Médio na organização do currículo da disciplina de Educação Física. A abordagem metodológica para o desenvolvimento desta pesquisa foi de caráter qualitativo e delineou-se, quanto aos seus objetivos, como descritiva e explicativa. Utilizou-se, como instrumento de coleta de dados, uma entrevista semiestruturada; e, como principal aporte metodológico para a análise dessas entrevistas, foi utilizada a análise de conteúdo. Diante disso, podemos afirmar que as experiências e vivências pregressas dos participantes desta investigação influenciam na escolha dos conteúdos a serem trabalhados nas aulas da disciplina e, sobretudo, na organização do currículo, haja vista a recorrência do ensino dos esportes coletivos.


Palavras-chave


corpo, gênero, docência, currículo.

Texto completo:

184-200

Referências


ALTMANN, H. AYOUB, E. AMARAL, S. C. F. Gênero na prática docente em educação física: “meninas não gostam de suar de suar, meninos são habilidosos”? Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 2, 2011, p. 491-501.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BONETTI. A. Entre armadilhas ideológicas e confusões propositais: reflexões sobre a polêmica em torno da “ideologia de gênero”. In: SILVA, F. F.; BONETTI, A.L.(Org.). Gênero, interseccionalidades e feminismos: Desafios contemporâneos para a educação. São Leopoldo: Oikos, 2016. p. 47-62.

BRASIL. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 24 maio 2016. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2016/res0510_07_04_2016.html . Acesso em: 18 de abril de 2021.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: ensino médio. Brasília: MEC, 2017.

CHICAT, K. C. Motivação nas aulas de Educação Física no Ensino Médio. Revista da Educação Física/UEM Maringá, v. 11, n. 1, 2000, p. 97-105.

COUTINHO, N. F.; SILVA, S. A. Conhecimento e aplicação de métodos de ensino para os jogos esportivos coletivos na formação profissional em educação física. Movimento, v. 15, n. 1, 2009, p. 117-144.

DARIDO, S. C. Diferentes concepções sobre o papel da educação física na escola. Cadernos de Formação: Conteúdos e Didática de Educação Física, São Paulo, v. 1, 2012, p. 34-50.

DEVIDE, F. P; et al. Estudos de gênero na educação física brasileira. Motriz: Revista de Educação Física, v. 17, n. 1, 2011, p. 93-103.

DUARTE, C. P.; OLIVEIRA, F. F. Discurso dos professores e professoras de educação física sobre o relacionamento de meninos e meninas. In: Simpósio Temático Gênero e sexualidade nas práticas escolares, Florianópolis, 2006.

FRAGA, A. B. Corpo, Identidade e Bom-Mocismo. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2012.

GOELLNER, S. V. Gênero. In: GONZÁLEZ, F.J.; FENSTERSEIFER, P.E. Dicionário Crítico de Educação Física. Ijuí: Unijuí, 2005. p. 207-209.

GOELLNER, S. V. A produção cultural do corpo. In: LOURO, G; NECKEL, J. F. L; GOELLNER, S. V. (orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Vozes, 2003, p. 28-40.

JACO, J. F. Educação Física escolar e Gênero: diferentes maneiras de participar da aula. 2012. 114 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-graduação em Educação Física, Unicamp, Campinas, São Paulo, 2012.

KUNZ, M. C. S; et al. Improvisação & Dança. Florianópolis: Ed. UFSC, 1998.

LAQUEUR, T. Inventando o Sexo: Corpo e Gênero dos Gregos a Freud. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

MEYER, D. E. E. Corpo, violência e educação: uma abordagem de gênero. In: JUNQUEIRA, R.D. (Org.). Diversidade sexual na educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas. Brasília: Ministério da Educação, Unesco, 2009, p. 213-33.

PEREIRA, M. G. R. A Motivação nas aulas de educação física: um enfoque no ensino médio. 2006. 108 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade São Judas Tadeu, São Paulo, 2006.

RAMOS, V; GRAÇA, A. B. S.; NASCIMENTO, J. V. A representação do ensino do basquetebol em contexto escolar: estudos de casos na formação inicial em educação física. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 20, n. 1, 2006, p. 37-49.

SANTOS, V. C. D. Indícios de sentidos e significados de feminilidade e de masculinidade em aulas de Educação Física. Motriz: Revista de Educação Física, v. 16, n. 4, 2010, p. 841-852.

SCOTT, J. W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, RS, v. 20, n. 2, 1995, p. 71-99.

SCAVONE, L. Das diferenças às desigualdades: reflexões sobre o conceito de saúde reprodutiva nas ciências sociais. In: GOLDENBERG, P.; MARSIGLIA, R. e GOMES, M. H. (org). O clássico e o novo – tendências, objetos e abordagens em Ciências Sociais e Saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2003. p. 187-195.

SOTERO, M. A. Questões de gênero e desconstrução de estereótipos: um plano lúdico para ensino da dança na educação física escolar. Mestrado em Educação Física Instituição de Ensino: Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

VIANNA, C. P. Educação e gênero: parceria necessária para a qualidade do ensino. In Gênero e Educação: caderno para professores. Autores diversos. São Paulo: Secretaria Municipal de Educação, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.