Narrativas de re(existências) de mães de pessoas transgêneros e suas lutas nos espaços escolares

Sandra Teixeira Fonseca, Viviane Melo Mendonça

Resumo


Pessoas transgêneros são frequentemente invisibilizadas na história oficial de uma sociedade cisnormativa. Partindo desta premissa, o trabalho tem como objetivo trazer à luz da história pública a análise de narrativas de enfrentamentos e lutas de mães de pessoas transgêneros para legitimar a existência de suas filhas e filhos nos espaços de educação, desde os primeiros anos escolares até a formação superior. Teórico-metodologicamente nos fundamentamos na história oral e entrevistamos cinco mães que moram nas cidades de Campinas e Sorocaba, interior de São Paulo. Os resultados apontam que as intervenções das mães nos espaços de educação geram ações de resistência para o acolhimento das identidades nesses territórios. A pesquisa identificou que as escolas ainda tratam com distanciamento e dificuldade de acolhimento as questões de gênero e que se mostra urgente e essencial a construção de projetos políticos-pedagógicos que abarquem esse tema com toda a comunidade escolar, para assim, romper as barreiras de diferenças dentro de uma educação supostamente para todas e todos.

 


Palavras-chave


gênero; história pública; educação; transgêneros; mãe.

Texto completo:

69-79

Referências


BUTLER, J. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira L. (Orgs). O corpo educado. Belo Horizonte: Autêntica, 1999. p. 151-172

FAERMANN,L.A; COSTA,S.L, COUTO.C . Cisnormatividade, violência e instituição escolar. In: Revista Conjectura, filosofia e educação: Caxias do Sul, RS. v.25, ed. 020036,2020

FREIRE, P. Pedagogia da Esperança: um reencontro com a Pedagogia do oprimido. 3 ed. São Paulo, Paz e Terra, 1994. p.225.

________ Pedagogia da Esperança. Um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992. p.9.

________ Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo, Ed. UNESP, 2000. p.119.

GOELLNER, S. A educação dos corpos, dos gêneros e das sexualidades e o reconhecimento da diversidade. In: Revista Cadernos de formação: Rio de Janeiro, V.1, n.2, 2010. p.82.

HOOKS, b. Ensinando a transgredir: Educação como prática da liberdade. São Paulo: Ed: Martins Fontes, 2017. p.183

________ O feminismo é para todo mundo: Políticas arrebatadoras. 11ª ed. Rio de Janeiro: Ed: Rosa dos Tempos, 2020. p. 116-125.

JUNQUEIRA, R. D. Introdução – Homofobia nas escolas: um problema de todos. In: (Org.). Diversidade Sexual e educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas: Brasília: Ministério da Educação; UNESCO, 2009. p.13-51.

LOURO, G. Gênero e Sexualidade: Pedagogias contemporâneas. 2ª ed. Vol. 19. Campinas: Pro-Posições, 2008. p.23.

_________ (Org.). O corpo educado: Pedagogias da sexualidade. Traduções: Tomaz Tadeu da Silva. 2a ed. 127p. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p.61.

MEIHY, J. C. S. B. Augusto e Lea: Um caso de (des) amor em tempos modernos. São Paulo: Ed. Contexto, 2006. p.168.

PORTELLI, A. História oral como arte da escuta. São Paulo: Letra e Voz, 2016. p.24.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.