Reflexão das práticas e vivências contextualizada entre a Universidade e Escola a partir do Programa de Residência Pedagógica

Josiane Ap. Gomes Figueiredo, Roberta Ravaglio Gagno

Resumo


A fim de formar professores reflexivos e preparados para atender as exigências de sua atividade profissional almeja-se um aprendizado participativo, correlacionando o conhecimento prático e teórico. O primeiro contato com a docência pode ser realizado por meio do estágio curricular e atualmente através de programas pertencentes à Política Nacional de Formação de Professores do Ministério da Educação como o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid) e o de Residência Pedagógica (RP). É importante analisar como foi concretizada a aproximação entre Universidade e Escola na formação de licenciandos do RP desenvolvido no Curso de Licenciatura de Ciências Biológicas da UNESPAR, Campus Paranaguá. Neste contexto, o objetivo deste trabalho é descrever reflexões sobre a qualidade de ensino, o engajamento de futuros docentes, o feedback dos alunos, os obstáculos dos acadêmicos e a ações que podem tomadas para uma educação de qualidade. Todas as reflexões e apontamentos tratam de um trabalho coletivo onde os componentes foram elencados nas reuniões realizadas semanalmente e foram sendo paulatinamente discutidos e refletidos entre preceptores, residentes e coordenação. Buscou-se identificar os principais componentes norteadores entre a Universidade e a Escola favorecendo espaços híbridos de formação e aproximação entre a teoria e a prática. Percebe-se que quando tem-se o discurso de educação de qualidade a mesma requer um projeto pedagógico bem estruturado, infraestrutura adequada, metodologias inovadoras, tecnologias de ensino, docentes capacitados e alunos motivados pois mesmo diante de tantas ferramentas inovadoras no campo da educação e em ascendência hoje, o professor ainda encontra muitas dificuldades em sala de aula, principalmente no que diz respeito à motivação dos alunos para a aprendizagem.

Texto completo:

5-30

Referências


AGUIAR, M. A. S.; DOURADO, L. F. A BNCC na Contramão do PNE 2014-2024: Avaliação e Perspectivas. Recife: ANPAE, 2018.

ANADON, S. B.; GONÇALVES, S. R. V. "Uma ponte para o Futuro": (des)continuidades nas políticas de formação de professores. Momento: diálogos em educação, v. 27, n. 2, p. 35-57, 2018.

ANASTASIOU L; ALVES, L. Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 7ª ed. Joinvilie, SC: Editora Univille, 2012, 145 p.

AZIZAN, M. T; MELLON, N; RAMLI, R. M.; YUSUP, S. Improving teamwork skills and enhancing deep learning via development of board game using cooperative learning method in Reaction Engineering course. Education for Chemical Engineers, v. 22, p. 1-13, 2018.

BAKER, J. A. Contributions of teacher: child relationships to positive school adjustment during elementary school. Journal of School Psychology. v. 44, p. 211-229, 2006.

BARBOSA, A. J. G.; CAMPOS, R. A.; VALENTIM, T. A. A diversidade em sala de aula e a relação professor-aluno. Estudos de Psicologia. v. 28, n. 4, p. 453-461, 2011.

BELOTTI, S. H. A.; FARIA, M. A. Relação professor/aluno. Revista Eletrônica Saberes da Educação. v. 1, n. 1, p. 1-12, 2010.

BRANDO, F. R.; CALDEIRA, A. M. A. Investigação sobre a identidade profissional em alunos de licenciatura em ciências biológicas. Ciência e educação, v. 15, n. 1, p. 155-173, 2009.

BRASIL. MEC lança Política Nacional de Formação de Professores com Residência Pedagógica. Disponível em: . Acesso em: 23 de janeiro de 2019.

BRITO FILHO, J. C. M. D. Ações afirmativas. 4. ed. São Paulo: LTR, 2016.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura. v.1. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

COSTA, L. L.; FONTOURA, H. A. Residência Pedagógica: Criando caminhos para o desenvolvimento profissional docente. Revista Ambiente Educação, v. 9, n. 2, p. 161-77, 2015.

CUNHA, M. I. Docência na universidade, cultura e avaliação institucional: saberes silenciados em questão. Revista Brasileira de Educação, v. 11 n. 32, p. 328-339, 2006.

DEMO, P. Outro professor: alunos podem aprender bem como professores que aprendem bem. Paco Editorial, v. 6, p. 25-37, 2011.

DOURADO, L. F; OLIVEIRA, J. F. de. A qualidade da educação: perspectivas e desafios. 2009.

DURHAM, E. R. A qualidade do ensino superior. Revista @mbienteeducação, v. 2, n. 1, p. 09-14, 2018.

GAGNO, Roberta Ravaglio Gagno. Formar Dirigentes ou Governantes: análise do Projeto “Jovens Governantes” da Prefeitura Municipal de Curitiba. Dissertação de mestrado. UTP – PR, 2009.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. S. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: Unesco. 2009, 294 p.

GENTILI, P. A. A. (1994). O discurso da “qualidade” como nova retórica conservadora no campo educacional. Em: Gentili, P.A.A. e Silva, T.T. (orgs.) Neoliberalismo, Qualidade Total e Educação - Visões Críticas. Petrópolis: Vozes: p. 111-178.

KENSKI, V. M. A urgência de propostas inovadoras para a formação de professores para todos os níveis de ensino. Paraná: Ver. Diálogo Educacional. v. 15, n. 45, 2015.

LIBÂNEO, J. C. Adeus professor, adeus professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. 6°ed. São Paulo: Ed. Cortez, 2002, (Coleção Questões da nossa Época; v. 67). 787 kb; e-PUB.

MAZZOTTI, A. J. O. “aluno da escola pública”: o que dizem as professoras. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 87, n. 217, p. 349-359, 2006.

MORAES, C. R; VARELA, S. Motivação do aluno durante o processo de ensino-aprendizagem. Revista Eletrônica de Educação, v. 1, p. 1-15, 2007.

MORAN, J. M. Mudando a educação com metodologias ativas. In: Convergências Midiáticas,

Educação e Cidadania: aproximações jovens. Vol. II. Coleção Mídias Contemporâneas, 2015.

MORETTI, V. D. A articulação entre a formação inicial e continuada de professores que ensinam matemática: o caso da Residência Pedagógica da Unifesp. Porto Alegre: Educação, v. 34, n. 3, p. 385-390, 2011.

MORRIS, M; WEBB, J. W; FU, J., SINGHAL, S. A competency‐based perspective on entrepreneurship education: conceptual and empirical insights. Journal of Small Business Management, v. 51, n. 3, p. 352-369, 2013.

NÓVOA, A. Imagens do futuro presente. Lisboa: Educa, 2009.

OLIVEIRA, A. L.; A auto-eficácia para a aprendizagem autodirigida como pilar fundamental da educação e aprendizagem ao longo da vida: Continuação dos estudos de validação do Self-Efficacy for Self-Directed Learning Questionnaire. PSYCHOLOGICA, Coimbra, v. 51, p. 57-71, 2009.

PARENTE, C.M.D. A construção dos tempos escolares. Belo Horizonte: Educação em Revista, v.26, n. 02, 2010.

POLADIAN, M. L. P. Estudo sobre o Programa de Residência Pedagógica da UNIFESP: Uma Aproximação entre Universidade e Escola. Fortaleza: EdUECE, v. 2, p. 3060- 3075, 2012.

SCHULTZ, R. Gestão da educação: inovação e mudança. In: Revista Política e Gestão Educacional. Ed. 5., São Paulo: UNESP, 2008.

SCHWARTZ, S.; BITTENCOURT, Z. A. Quem é o “Bom Professor” Universitário? Estudantes e professores de cursos de Licenciatura em pedagogia dizem quais são as (ideais) qualidades deste profissional. In: ANPED SUL – SEMINÁRIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUL, 9, 2012, Caxias do Sul. Anais IX ANPED SUL – Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul. Caxias do Sul, p. 1-13, 2012.

SENA, C.A.B. Escola Conectada: Desafios e Perspectivas. CINTEDI, 2016.

SERDYUKOV, P. Innovation in education: what works, what doesn’t, and what to do about it? Journal of Research in Innovative Teaching & Learning, vol. 10, n. 1, p. 4-33, 2017.

SILVA, M. R. Currículo, ensino médio e BNCC: Um cenário de disputas. Revista Retratos da Escola, v. 9, n. 17, p. 367-379, 2015.

SILVA, G. H. G. Um panorama das ações afirmativas em universidades federais do sudeste brasileiro. Cadernos de Pesquisa, v. 49, n. 173, p. 184-207, 2019.

SILVA, S. C. ARANHA, M. S. F. Interação entre professora e alunos em sala de aula com proposta pedagógica de educação inclusiva. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 11, n. 3, p. 373-394, 2005.

TARDIF, M; LESSARD, C. O Trabalho Docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Rio de Janeiro: Vozes, v. 6, 2011.

TARTUCE, G. L. B. P.; NUNES, M. M. R.; ALMEIDA, P. C. A. Alunos do ensino médio e atratividade da carreira docente no Brasil. Cadernos de Pesquisa, v. 40, n. 140, p. 445-477, 2010.

VAILLANT, D. Políticas de Inserción a La docencia en América Latina: La Deuda Pendiente. Profesorado. Revista de Curriculum y formación del professorado, Granada, v. 13, n. 1, p. 23, 2009.

VEIGA, I. P. A. Projeto político-pedagógico da escola: uma construção coletiva. In: VEIGA, I. P. A. (Org.). Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. Campinas: Papirus, 2002. p. 11-35.

WUBBELS, T. Editorial: student perceptions of teacher-student relationshiips in class. International Journal of Education Research, v. 43, p. 1-5, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.