A analítica da verdade e o sujeito pós-moderno pela lei de cotas: uma questão de poder político e jurídico em uma sociedade politicamente midiatizada.

Éderson José de Lima, Silvânia Siebert

Resumo


O presente artigo tem por objetivo promover uma breve reflexão, à luz do pensamento epistêmico-filosófico contemporâneo acerca do sujeito pós-moderno e sua relação com os discursos de verdade sobre a lei de cotas em tempos de uma sociedade politicamente midiatizada. Nosso trabalho de pesquisa se inscreve no campo das teorias discursivas, promove uma aproximação teórica e metodológica entre dois autores: Foucault e Habermas,com atenção especial à noção de sujeito e sua relação com a produção da verdade; no que tange as questões concernentes ao discurso jornalístico e de mídia nos orientamos pelas leituras de Tambosi e Charaudeau. Partimos do pressuposto de que o espaço midiático se institucionaliza nas sociedades ocidentais pós-modernas enquanto um quarto poder em que o sujeito se institui enquanto um ser desejante desta midiatização que significa e é significado pela mídia, que dão o contorno ao sujeito pós-moderno. Como corpus escolhemos um texto da Revista ÉPOCA, para servir como materialidade analítica acerca dos prós e contras no entorno das discussões das políticas de cotas e a Lei de cotas. O recorte também serviu como um mecanismo que nos propiciasse gestos analíticos e modos de compreender a as condições de produção das verdades no espaço jornalístico.


Texto completo:

51-81

Referências


CANCLINI, N. G. Culturas Híbridas - estratégias para entrar e sair da modernidade. Tradução de Ana Regina Lessa e Heloísa Pezza Cintrão. São Paulo: EDUSP, 1997.

CHARAUDEAU, Patrick. O discurso das mídias.Tradução de Ana M. S. Corrêa. São Paulo: Contexto, 2006.

DESCARTES. R. Discurso do método; As paixões da alma. Trad. J. Guinsburg e Bento Prado Júnior. 4. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1987.

FOUCAULT, M. Ditos e escritos: arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

_____. A arqueologia do saber.Trad: NEVES, L. F. B. 6.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

_____. A ordem do discurso.Trad: SAMPAIO, L. F. A. São Paulo: Loyola, 1996.

_____. História da sexualidade: o uso dos prazeres. 8.ed. Rio de Janeiro: Graal, 1998.

_____.Microfísica do poder.13.ed. Rio de Janeiro: Graal, 1998b.

GOMES, M. R. Poder no jornalismo: discorrer, disciplinar, controlar. São Paulo: Hacker/ Edusp, 2003.

HABERMAS, J. O discurso filosófico da modernidade. Trad. Ana Maria Bernardo et al. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1990a.

_____. Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Rio de janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

_____. A nova intransparência: A crise do Estado de bem-estar social e o esgotamento das energias utópicas. In: HABERMAS, J. Diagnósticos do Tempo: Seis Ensaios. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1987.

_____. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Trad. Flávio BenoSiebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997.

HALL. S. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva, Guacira Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HOBBES. T. Leviatã. Ed. Martin Claret, São Paulo, 2006.

KANT, I.Crítica da razão pura. Tradução e notas de Valério Rohden. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

MOSÉ, V. Nietzsche e a grande política da linguagem. Rio de Janeiro: Civilização brasileira. 2005.

MUNANGA, K. Políticas de ação afirmativas em benefício da população negra no Brasil: um ponto de vista em defesa de cotas. In: SILVA, P. B. G; SILVÉRIO, V, R. (Orgs.). Educação e ações afirmativas: entre a injustiça simbólica e a injustiça econômica. Brasília: INEP, 2003, p.117-28.

NIETZSCHE, F. Além do Bem e do Mal. Prelúdio a uma filosofia do futuro. Trad. Paulo César de Souza. 2 ed, São Paulo: Cia das Letras. 1999.

_____. Sobre Verdade e Mentira no Sentido Extra-Moral. São Paulo: Hedra, 2007.

PÊCHEUX, Michel. Discurso: estrutura ou acontecimento. Traduzido por EniOrlandi. 5. ed. Campinas, SP: Pontes, 2008.

SILVA, G. Para pensar critérios de noticiabilidade. Estudos em Jornalismo e Mídia; Bahia, v.II, n.1, p. 95-106, jan./jul. 2005.

SILVA JÚNIOR, H. Ação afirmativa para negros (as) nas universidades: a concretização do princípio constitucional da igualdade. In: SILVA, P. B. G; SILVÉRIO, V, R. (Orgs.). Educação e ações afirmativas: entre a injustiça simbólica e a injustiça econômica. Brasília: INEP, 2003, p.101-14.

TAMBOSI, O. Jornalismo e teorias da verdade. Intercom – Revista Brasileira de Ciências da Comunicação; São Paulo, v.30, n.I, p. 35-48, jan./jun. 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.