Os multiletramentos e a contemporaneidade: reflexões para o ensino de humanidades e linguagens

Luciana Garcia Gauthier de Souza, Valeria Iensen Bortoluzzi, Marcos Alexandre Alves

Resumo


O presente artigo tem o objetivo de destacar os impactos da contemporaneidade no sistema escolar, refletir sobre o papel do professor nesse contexto e discutir as concepções dos multiletramentos a fim de aproximar a realidade da sociedade nos tempos atuais e a da escola, por meio dos multiletramentos, em prol do fazer educacional. A pós-modernidade, chamada por Bauman (2000) de modernidade líquida, caracteriza-se por não apresentar aspectos duradouros que afetam diretamente vários setores da sociedade, tais como trabalho e educação. A rapidez do fluxo das informações e os vários meios de comunicação disponíveis atualmente, mudam o papel da escola, antes detentora do saber. Nesse contexto, a escola enfrenta novos desafios. A pedagogia dos Multiletramentos, proposta por um grupo formado por pesquisadores chamado de The New London Group (1996) propõe um ensino tendo como pilares a multiculturalidade (diversidade linguística e cultural) e a multimodalidade (multiplicidade de mídias e canais de comunicações). Por fim, procuramos refletir acerca de algumas contribuições dos Multiletramentos para o ensino de humanidades e linguagens.


Palavras-chave


: Multiletramentos, Modernidade Líquida, Ensino, Humanidades, Linguagens

Texto completo:

98-112

Referências


ALMEIDA, F.Q.; GOMES, I. M.; BRACHT, B. Bauman & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

BAUMAN, Z. Modernidade Líquida. Trad. Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

___________. Tempos líquidos. Trad. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007.

___________. Vida Líquida. Trad. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007.

______. Capitalismo parasitário: e outros temas contemporâneos. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

______. Sobre educação e juventude: conversas com Ricardo Mazzeo. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

BUZATO, M. E. K. Letramentos digitais e formação de professores. São Paulo: Portal Educare de 2006. Disponível em: . Acesso em: 20 de dezembro de 2017.

COPE, Bill; KALANTZIS, Mary (orgs.). Multiliteracies: Literacy Learning and the Design of Social Futures. New York: Routledge, 2006.

COPE, Bill and KALANTZIS, Mary. Multiliteracies: New Literacies, New Learning. Pedagogies: An International Journal,4:3,164 — 195, 2009.

GARCIA, Carlos M. A formação de professores: novas perspectivas baseadas na investigação sobre o pensamento do professor. In: NÓVOA, Antônio. (Org.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992. p.51-76.

LEITE, Gisele. Modernidade líquida e incertezas sólidas. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 22, n. 4948, 17 jan. 2017. Disponível em: . Acesso em: 05 dez. 2017.

MORIN, Edgar. A cabeça bem feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Trad. Eloá Jacobina. 20ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

PÉREZ GÓMEZ, A. I. A cultura escolar na sociedade neoliberal. Porto Alegre: ARTMED, 2001.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

UNSWORTH, L. Teaching multiliteracies across the curriculum. Maidenhead, UK: Open University Press. 2001.

WARSCHAUER, M. Technology and Social Inclusion: rethinking the digital divide. Massachusetts: MIT Press, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.