Disputa, imposição e negação em trabalhos escolares sobre história e cultura Afro-brasileira e Africana

Sandra Aparecida Batista, Michele Rotta Telles

Resumo


Diante dos processos de disputa, imposição e negação a respeito da história e cultura Afro-Brasileira e Africana, o propósito da pesquisa é identificar e analisar as respectivas representações em trabalhos escolares do Colégio Estadual do Campo Dr. Antonio Pereira lima, Distrito Panema, município de Santa Mariana, Paraná. As fontes foram produzidas para o Dia Nacional da Consciência Negra no período de 2013 a 2015, sendo divididas em dois grupos compostos por textos e imagens: o primeiro, parte da hipótese da existência de um discurso estereotipado e preconceituoso advindo da classe dominante branca a respeito da história e cultura Afro-Brasileira e Africana; já o segundo surge possivelmente da imposição de um novo discurso, fruto das reivindicações de reconhecimento e valorização da diversidade cultural advogadas pelo Movimento Negro e por meio da Lei 10 639/03. Este estudo possibilita estabelecer paralelos entre representações advindas do “sistema hegemônico branco e ocidentalizado” e as representações anti-hegemônicas, considerando que o texto da Lei 10 639/03, que insere o ensino de história e cultura Afro-Brasileira e Africana nas escolas, também se constitui em uma representação, e não anula os processos de negociação, conflitos e tensões entre o padrão cultural negro e africano e o padrão branco europeu na dinâmica pedagógica escolar. A partir do debate em torno do conceito de representações de Chartier (1990; 1991; 2002), as representações são tomadas como estratégias e práticas de tensionamento em meio às relações de poder.  Portanto, não se tratam de uma questão de verdade e falsidade, mas de uma lógica de representação que manipula e legitima o discurso de quem enuncia.


Texto completo:

18-38

Referências


Livro

ALBUQUERQUE, W. R. de. Uma história do negro no Brasil. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais. Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2006.

AZEVEDO, C. M. M. de. Onda Negra Medo Branco: o negro no imaginário das elites-Século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

BRASIL. Lei n.10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União, 2003.

BRASIL. CNE/MEC. Resolução nº. 1, de 17 de junho de 2004. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro- Brasileira e Africana. Brasília: Diário Oficial da União, 2004.

BRASIL. Ministério da Educação. Gênero e diversidade na escola: formação de professoras(es) em gênero, orientação sexual e relações étnico-raciais. Rio de Janeiro: CEPESC, Brasília: SPM, 2009.

HEILBORN, Maria Luiza. et al (org). Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça/GPP-GeR: módulo II. Rio de Janeiro: CEPESC; Brasília: Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres, 2010.

CERRI, L. F. (org.). Ensino de história e educação: olhares em convergência. Ponta Grossa: UEPG, 2007.

DENIPOTI, C. et al. História, Arte e Cultura. Ponta Grossa: EPG/NUTEAD, 2009.

FREYRE, G. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. São Paulo: Global, 2003.

GOMES, N. L. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: BRASIL. MEC. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal nº. 10 639/03. Brasília: 2005.

HUNT, L. Apresentação: história, cultura e texto. In: HUNT, L. (org.) A. Nova História Cultural. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

KI-ZERBO, J. (Ed.). História Geral da África. Volume I. Metodologia e pré-história da África. São Paulo: Ática, 1982.

ORTIZ, R. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Brasiliense, 2006.

PARANÁ. Colégio Estadual do Campo Dr. Antonio Pereira Lima. Projeto Político Pedagógico. Santa Mariana, 2013.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes Curriculares da Educação Básica História. Curitiba: SEED, 2008.

PESAVENTO, S. J. História & História Cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

REIS, J. J. & SILVA, E. Negociação e conflito: a resistência negra no Brasil escravista. São Paulo: Cia. Das Letras, 1989.

SANTOS, H. A busca de um caminho para o Brasil: a trilha do circulo viciosos, São Paulo: Editora Senac, 2001.

SILVA, T. T. da. Documentos de identidade: uma introdução ás teorias do currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autentica, 2010.

SOUZA, N. S. Tornar-se negro, Rio de Janeiro: Graal, 1983.

SZESZ, C. M. et al. História do Brasil II. Ponta Grossa: UEPG/NUTEAD, 2011.

VEIGA. I. P. (org). Projeto Político Pedagógico da escola: uma construção possível. 20 ed. São Paulo: Papirus, 2005.

Artigo Científico

CHARTIER, R. O mundo como representação. Estudos Avançados, São Paulo, v. 5, n. 11, jan./abr. 1991

CHARTIER, R. Introdução. Por uma sociologia histórica das práticas culturais. In: _____. A História Cultural entre práticas e representações. Col. Memória e sociedade. Trad. Maria Manuela Galhardo. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990, p. 13-28.

CHARTIER, R. A beira da falésia. Porto Alegre: Ed. Universidade UFGRS, 2002.

CORREA, S. M. de S. O negro e a historiografia brasileira. Revista Ágora, Santa Cruz do Sul, n. 1, 2000.

FLORES, E. C. Etnicidade e ensino de História: a matriz cultural africana. Tempo, v. 11, n. 21, p. 65-8, 2006.

GENTILE, P. África de todos nós. In: Revista Nova Escola, São Paulo, ano XX, ed. 187, novembro, p. 44, 2005.

JESUS, F. S. de. O “negro” no livro didático de História do Ensino Médio e a Lei 10.639/03. História & Ensino. Revista do Laboratório de Ensino de História/UEL, Londrina, v. 18, n. 1, p.141-171, jan/jun. 2012.

MORAES, D. de. Comunicação, hegemonia e contra-hegemonia: a contribuição teórica de Gramsci. Revista Debates, Porto Alegre, v. 4, n. 1, p. 54-77, jan./jun. 2010.

OLIVA, A. R. de. Lições sobre a África: Diálogos entre as representações dos africanos no imaginário Ocidental e o ensino de história da áfrica no Mundo Atlântico (1990-2005). Brasília: Universidade de Brasília, 2007.

OLIVA, A. R. de. O que as lições de história ensinam sobre a África? Reflexões acerca das representações da história da África e dos africanos nos manuais escolares brasileiros e portugueses. Revista Solta a Voz, Goiás, v. 20, n. 2, p. 197-214, 2009.

RIBEIRO, R. et al. História da África no Ensino Superior: Imagens e Representações dos Estudantes do Curso de Licenciatura em História da UFMT, Campus Cuiabá. Revista do Departamento de História. Cáceres, UNEMAT Editora, v. 6, n. 1, 232p, 2015. Disponível em: Acesso 16 de jun. de 2016.

Trabalho Acadêmico

KRAUSS, J. S; ROSA, J. C. da. A importância da temática de História e Cultura Africana e Afro-brasileira nas escolas. Antíteses, v. 3, n. 6, p. 857-878, jul./dez. 2010.

MUNANGA, K. Uma abordagem conceitual das noções de raca, racismo, identidade e etnia. 3º Seminário Nacional Relações Raciais e Educação-PENESB. Rio de Janeiro: Geledes, 2013. Disponível em: Acesso em: 30 de Junho de 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.