Elementos de uma contra-história da ciência para uma educação científica crítica: imperialismo e colonialismo

Roberto Gonçalves Barbosa

Resumo


Este trabalho apresenta uma análise crítica de discursos a respeito da origem histórica da denominada ‘ciência moderna’ com base em estudos historiográficos e sociológicos que relacionam a ciência com o imperialismo e o colonialismo europeu. Adicionalmente são apresentados algumas contribuições científicas de povos excluídos pela literatura da Ciência nacional e internacional que contrapõem discursos históricos a respeito da física tradicionalmente estudados. Como resultado observa-se que relacionar a história da ciência com o imperialismo e o colonialismo europeu nos fornece elementos para se elaborar uma contra-história da Ciência que pode servir como um recurso poderoso para o desenvolvimento de uma educação científica crítica.

Texto completo:

220-236

Referências


ADAMS, Hunter Havelin. African Observers of the Universe: the sirius question. In. SERTIMA, I. V. Black in Science: ancient and modern, New Brunswick: Transaction Publishers: 2007.

AFONSO, Germano Bruno. Galileu e a natureza dos Tupinambás. Scientific American, Maio, 2009.

BERNAL, John Desmond. Science in History. Victoria: Penguin books, 1969.

BERNAL, John Desmond. The Social Function of Science. London: George Routlendge & Sons LTD, 1946.

CONNER, Clifford. D. The people’s history of Science. New York: Nation books. 2005.

D’ABBEVILLE, Claude. História da missão dos padres capuchinhos na Ilha do Maranhão e terras circunvizinhas. (1614). Trad. Sérgio Milliet. Brasília: Senado Federal, 2008.

FANON, Frantz. Black skin, White Masks. Trans. Richard Philcox. New York: Grove Press, 2008.

FARRINGTON, Benjamin. Greek Science. England: Pelican Book, 1953.

FEYERABEND, Paul. Contra o método. Trad. de Octanny S. da Mota e Leonidas Hegenberg. Rio de Janeiro: Francisco Alves editora, 1977.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1987.

GANGOOLY, Prabodhchandra. Translation of the Surya Siddanta. Calcutá: University of Calcutá, 1935.

HERNANDEZ, Leila Leite .A invenção da África. Em revista História Viva Temas Brasileiros nº 3 (Presença Negra). São Paulo: Duetto Editorial, 2006.

LOSURDO, Domenico. Liberalism: a conter-history. Translated by Gregory Elliott. Verso: London, 2011.

PAPPADEMOS, John. An Outline of Africa’s Role in the History of Physics. In. SERTIMA, I. V. Black in Science: ancient and modern, New Brunswick: Transaction Publishers: 2007.

RAJ, Kapil. Relocating modern science: circulation and the construction of knowledge in South Asia and Europe, 1650–1900. New York: PALGRAVE MACMILLAN, 2007.

REEVES, Hubert. Um pouco mais de azul: a evolução cósmica. Trad. Armando da Silva Branco. São Paulo: Martins Fontes, 1986.

SAID, Eduard. Orientalism. New York: Vintage Books, 1979.

SARKAR, Benoy Kumar. Hindu Achievement in Exact Science: a study in the history of scientifc development. LONGMASS, GREEN AND CO: London, Bombay, 1918.

SARTON, George. Introduction to the history of Science. (Edited and prepared by Prof. Hamed A. Ead). Baltimore, 1927.

SASTRI, Punditi Bapu Deva. Translation of the Surya Siddanta. Calcutá: Baptist mission press. 1861.

SMITH, Linda Tuhiwai. Decolonizing methodologies: research and indigenous peoples. London: Dunedin: Zed Books, 1999.

STENGERS, Isabelle. A invenção das ciências modernas. Tradução de M. Altman. São Paulo: Ed. 34, 2002.

ZINN, Howard. The Zinn Reader: writings on disobedience and democracy. New York: Seven Stories press, 1997.

PRASAD, Marehalli. Science and Technology in Sanskrit in Ancient India. In. http://sanskritdocuments.org/articles/ScienceTechSanskritAncientIndiaMGPrasad.pdf. Acesso em 30/09/2016.


Apontamentos