Ensino de zoologia: concepções e metodologias na prática docente

Elivelto Richter, Guilherme Lenz, Erica do Espírito Santo Hermel, Roque Ismael da Costa Güllich

Resumo


O Ensino de zoologia deve ser refletido e investigado constantemente a fim de propor avanços nas propostas de prática pedagógica para transformá-la. O presente trabalho expressa uma pesquisa de caráter documental que investiga as concepções e metodologias utilizadas no Ensino de Zoologia. O objeto de estudo foram os resumos publicados na seção de ensino de zoologia, do Congresso Brasileiro de Zoologia (CBZ), entre os anos de 2004 e 2014. Ao todo, foram analisados 167 trabalhos e identificadas as concepções docentes, as modalidades didáticas, os níveis de ensino da aplicação da prática pedagógica e a localização das pesquisas em regiões brasileiras. Os resultados apontam para predominância de concepções técnicas (49, 1 %), seguido por concepções práticas (31,1%) e emancipatórias (19,8 %). Também constatamos que existe uma diversidade metodológica no ensino de zoologia, mas em termos qualitativos há predominância de modalidades didáticas que configuram apenas ferramentas técnicas de ensino, pouco discutindo o processo de ensino e aprendizagem. Grande parte dos trabalhos foi produzida na educação básica, e a região do país que mais produziu trabalhos foi a Nordeste. Inferimos que professores devem constantemente investigar e refletir suas ações, identificando obstáculos e tentando superá-los. O ensino de zoologia deve ser ancorado em concepções e metodologias que estão em concordância com a realidade do aluno, da escola e da sociedade, em constante transformação e reformulação, na busca de um ensino de biologia de melhor qualidade.


Palavras-chave


Ensino de Biologia, Estratégias didáticas, Modalidades didáticas, Racionalidade prática.

Texto completo:

27-48

Referências


CARR, W.; KEMMIS, S. Teoría crítica de la enseñanza: investigación-acción en la formación del profesorado. Barcelona: Martinez Roca, 1988.

CUNHA, M. I. A relação Professor- Aluno. In: VEIGA, I. P. A. et al (Org.). Repensando a didática. 29. ed. Campinas,SP: Papirus, 2004. p. 7-159.

DAMIS, O. T. Didática e sociedade: o conteúdo implícito do ato de ensinar. In. VEIGA, I. P. A. (org). Didática: ensino e suas relações. 18.ed. Campinas-SP: Papirus, 1996. 183 p.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra Ltda, 2011. 143 p.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002. 174 p.

GUIMARÃES, L. R. Atividades para aulas de ciências. 1.ed. São Paulo: Nova espiral, 2009.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para mudança e incerteza. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2011. 127 p.

KRASILCHIK, M. Prática de ensino de biologia. 4.ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2011.

LIBÂNEO, J. C. Didática. 33. ed. São Paulo: Cortez, 1994. 263 p. (Formação do Professor).

LÜDKE, M; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Epu, 2001.

LOPES, A. O. Relação de Interdependência entre ensino e aprendizagem. In.VEIGA, Ilma Passos Alencastro (org). Didática: ensino e suas relações. 18.ed. Campinas-SP: Papirus, 1996. 183 p. (Coleção magistério: formação e trabalho pedagógico.

MARANDINO, M; SELLES, S. E; FERREIRA, M. S. Ensino de Biologia: Histórias e práticas em diferentes espaços educativos. São Paulo: Cortez, 2009.

MOYSÉS, L. O desafio de saber ensinar. 16. ed. Campinas, SP: Papirus, 1994. 125 p.

ROSA, M. I. F. P. S; SCHNETZLER, R. P. A investigação-ação na formação continuada de professores de ciências. Ciência e Educação, Bauru, v. 9, n. 1, p. 27-39, 2003. Disponível em:. Acesso em: 17 maio 2015.

VASCONCELOS, I. A metodologia enquanto ato político da prática educativa. In: CANDAU, V. M. (Org.). Rumo a uma nova didática. 21. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. p. 9-205.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.