Grupo de estudos constituído na própria escola: o caso da professora Mara

Angélica da Fontoura Garcia Silva, Mirtes de souza Miranda, Maria Elizabette Brizola Brito Prado

Resumo


O presente artigo tem como objetivo analisar as reflexões realizadas e a (re)significação de conhecimentos profissionais evidenciada por uma das professoras participantes de um grupo constituído na própria escola para estudar o Campo Conceitual Aditivo. A metodologia qualitativa integrou alguns elementos estudo de caso, segundo Chizzotti. Para a coleta de informações utilizou-se registros audiovisuais, observações, questionários, entrevistas. Teoricamente esta pesquisa fundamentou-se em estudos referentes à formação docente e ao Campo Conceitual Aditivo. Os resultados da análise dos dados aqui apresentados revelaram que a professora envolvida (re)significou seus conhecimentos sobre o ensino das estruturas aditivas, sobretudo a respeito da classificação proposta por Vergnaud. Essa profissional, valorizou os estudos realizados, a reflexão sobre sua prática e o caráter colaborativo do grupo. Entretanto, foi identificada a necessidade de aprofundar os estudos sobre a teoria que trata dos conhecimentos contidos nos esquemas de seus alunos, sobretudo, Conceito–em–ação e Teorema– em– ação.

Texto completo:

136-157

Referências


BALL, D. L. et al. Content knowledge for teaching: what makes it special? In: Journal of Teacher Education, November/December 2008, vol. 59.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. 4.ed. Petrópolis RJ:Vozes, v.1. 2011.

FIORENTINI, D. Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In: BORBA, M.C.; ARAUJO, J, L. Pesquisa qualitativa em educação matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. P.47-76.

MAGINA, S.; CAMPOS, T. M. M.; GATIRANA, V.; NUNES, T. Repensando adição e subtração. Contribuições da teoria dos campos conceituais. 3ª ed. – São Paulo: PROEM, 2008.

NACARATO, A. Educação continuada sob a perspectiva da pesquisa-ação: currículo em ação de um grupo de professoras ao aprender ensinando geometria. 2000. 210p. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Campinas. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000202242&fd=y Acesso em Abril de 2016.

SÃO PAULO. PEC- Formação Universitária: Material de Matemática. SEE/SP, 2001.

___________. Coordenadoria de Gestão Básica. Departamento de Desenvolvimento Curricular e de Gestão da Educação Básica. Centro do Ensino dos Anos Iniciais. EMAI: educação matemática nos anos iniciais do ensino fundamental; organização dos trabalhos em sala de aula, material do professor/ Secretaria da Educação Centro do Ensino dos Anos Iniciais, São Paulo, SE, 2013.

XXXXXX. Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

SACRISTÁN, J.G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3.ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SERRAZINA, M.L. O Professor que Ensina Matemática e a sua Formação: uma experiência em Portugal. Educação & Realidade, v. 39, n. 4, 2014. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/45902 Acesso em Abril de 2016.

VERGNAUD, G. A classification of cognitive tasks and operations of thought involved in addition and subtraction problems. In Carpenter, T., Moser, J. & Romberg, T. (Eds.). Addition and subtraction: a cognitive perspective (pp. 39-59). Hillsdale, N.J.: Lawrence Erlbaum, 1982.

_________. A comprehensive theory of representation for Mathematics Education. Journal of Mathematical Behavior, v. 2, n. 17, p. 167-181, 1998.

________. Lev Vygotski. Pedagogo e pensador do nosso tempo. Porto Alegre:

GEEMPA, 2004.

_________. A criança a matemática e a realidade : problemas do ensino de matemática na escola elementar / Gerard Vergnaud. Tradução Maria Lúcia Faria Moro. Revisão técnica Maria Tereza Carneiro Soares, Curitiba : UFPR, 2009.

________. Teoria dos campos conceituais. In: Campos, T.M.M. (Coord.). Curso monográfico de altos estudos. São Paulo: Uniban.2011


Apontamentos

  • Não há apontamentos.