Conhecimentos acerca da doença de Chagas por alunos do ensino médio de uma escola particular de ensino em Belo Horizonte, Minas Gerais.

Lucas de Esquivel Dias Brandão, Juliana Macedo Lacerda Nascimento, Marcelo Diniz Monteiro de Barros

Resumo


Globalmente, a doença de Chagas está associada a 14 mil mortes anuais, constituindo-se na sexta doença tropical de maior importância no mundo. Na América Latina pode ser entendida como uma das mais importantes doenças parasitárias, em que mais de 10 milhões de pessoas são infectadas com o parasito Trypanosoma cruzi, e aproximadamente 90 milhões de indivíduos ainda estão sob o risco de contraírem a doença. No Brasil é responsável por cerca de 6 mil mortes anuais (16 por dia). A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) estima que existam de 2 a 3 milhões de pessoas com a forma crônica no país. Sendo assim, trabalhos sobre o conhecimento da população acerca dessa zoonose são essenciais para verificar como o assunto vem sendo tratado na sociedade atual. No primeiro semestre de 2015 foi realizada uma investigação de cunho descritivo com 21 alunos, da faixa etária de 16 e 17 anos, do 2º ano do Ensino Médio em uma escola particular de ensino, localizada em Belo Horizonte, Minas Gerais. Através de um questionário semiestruturado, contendo 15 questões, almejou-se identificar que conhecimentos esses alunos tinham sobre a Doença de Chagas. Na presente pesquisa 85,71% dos alunos responderam conhecer sobre a Doença de Chagas na escola e apenas 9,52% relataram que esses conhecimentos foram adquiridos através de jornais e noticiários, evidenciando, portanto, que tais meios de comunicação não vigoraram como as principais fontes de obtenção de conhecimentos por parte dos alunos. Registrou-se, ainda, que a maioria dos estudantes não conhecem pessoas que desenvolveram a Doença de Chagas, o que em parte pode comprovar o fato de que a transmissão desta doença encontra-se controlada no Estado de Minas Gerais. Para avaliações futuras julgamos que pesquisas qualitativas sobre a percepção da população sobre o tema contribuiriam enormemente para o planejamento de ações educativas acerca dessa importante zoonose.

Texto completo:

7-25

Referências


ARAUJO-JORGE, T. Doença de Chagas. Agência FIOCRUZ de notícias: saúde e ciência para todos. 10. Set. 2013 Disponível em: < http://www.agencia.fiocruz.br/doen%C3%A7a-de-chagas>. Acesso em: 30/10/2015.

AVILA, M. G.; MARTINEZ, H. M.; PONCE, C.; PONCE, E. & SOTO, H. R. Chagas disease in the central region of Honduras: Knowledge, beliefs and practices. Revista Panamericana de Salud Pública, Washington, US, v. 3, n.3, p.158-163. Março, 1998.

BARROS, A. J. S; LEHFELD, N. A. S. Fundamentos de metodologia científica. 3ª ed. São Paulo: Pearson/Prentice Hall, 2007. 158 p.

CALDEIRA, M. Transmissão da doença de Chagas está controlada em Minas. 22 Jan. 2009. Disponível em: . Acesso em: 1/11/2015.

DIAS, J. C. P. Doença de Chagas em Bambuí, Minas Gerais, Brasil. Estudo clínico-epidemiológico a partir da fase aguda entre 1940 e 1982. 1982. 376 p. Belo Horizonte – MG: UFMG. Tese de Doutorado - Faculdade de Medicina da UFMG.

DIAS, E. Um ensaio profilático de moléstia de Chagas. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional; 1945. 116p.

DIAS, E, PINTO, O. S. Combate aos triatomas com BHC na cidade de Bambuí, Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Malariología e Doenças Tropicais. Rio de Janeiro, v.1, n.4, p.62-64, 1952.

DIAS, J. C. P. Participação, descentralização e controle de endemias no Brasil. In: BARATA, R. B; BRICEÑO- LEÓN, R (Org.). Doenças endêmicas: abordagens sociais, culturais e comportamentais. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2000. p. 269-297.

FRANÇA, S. B; ABREU, D. M. X. Morbidade Hospitalar por Doença de Chagas no Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. Uberaba (MG), v. 29, n.2, p. 109-115, Mar - Abr, 1996.

FREITAS, B. Aplicativo desenvolvido pela Fiocruz identifica barbeiro do mal de Chagas. 24. Mar. 2015. Disponível em: < http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/ciencia-e-saude/2015/03/24/interna_ciencia_saude,476697/aplicativo-desenvolvido-pela-fiocruz-identifica-barbeiro-do-mal-de-chagas.shtml>. Acesso em: 1/11/2015.

GARCÍA-ZAPATA, M. T. A. A divulgação científica no controle de doenças tropicais: um ponto de vista. Comunicação & Sociedade, São Bernardo do Campo (SP), v.1, n. 10, p. 103-114, 1991.

LUZ, Z. M. P; PIMENTA, D. N; RABELLO, A; SCHALL, V. Evaluation of informative materials on leishmaniasis distributed in Brazil: criteria and basis for the production and improvement of health education materials. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v.19, n.2, p. 561-569, Mar – Abr, 2003.

MAGUIRE, J. H. Chagas disease: can we stop the deaths? The New England Journal of Medicine. Massachusetts Medical Society, US, v.355, n.8, p. 760-761, Agosto, 2006.

MILES, M. A. The discovery of Chagas disease: progress and prejudice. Infectious Disease Clinics of North America, v. 18, n.2, p. 247-260, Junho, 2004.

OLIVEIRA, F. A. S.; BICALHO, G. V. C.; SOUZA FILHO, L. D.; SILVA, M. J.; GOMES FILHO, Z. C. Características epidemiológicas dos pacientes com Doença de Chagas. Revista Brasileira de Medicina de Familia e Comunidade. Rio de Janeiro, v. 2, n. 6, p. 108-113, Jul - Set, 2006.

ROJAS-DE-ARIAS, A. Social and epidemiological determinants of Chagas disease: basic information for a surveillance and control policy in the Southern Cone. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro, v. 102, Suppl.I, p. 19-21, 2007.

SILVA, R. A; SAMPAIO, S. M. P; POLONI, M; KOYANAGUI, P. H; CARVALHO, M. E; RODRIGUES, V. L. C. C. Pesquisa sistemática positiva e relação com conhecimento da população de assentamento e reassentamento de ocupação recente em área de Triatoma sórdida (Hemiptera, Reduviidae) no Estado de São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 20 n. 2, p. 555-561, Mar – Abr, 2004.a

SILVA, R. A; SAMPAIO, S. M. P; POLONI, M; KOYANAGUI, P. H; CARVALHO, M. E; et al. Conhecimento sobre doença de Chagas de população moradora em assentamentos rurais de ocupação recente e antiga, Estado de São Paulo, Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. Uberaba (MG), v. 37, Suppl. III, p. 3-23, 2004.b

TEIXEIRA, R. A importância da mídia para a saúde da população. Jornal de debates: mídia & saúde, nº 711, 11 de Set. 2012. Disponível em: . Acesso em: 8/11/2015.

UCHÔA, E; FIRMO, J. O. A; DIAS, E. C; PEREIRA, M. S. N; GONTIJO, E. D. Signos, significados e ações associados à doença de Chagas. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v.18, n. 1, p. 71-79, Jan – Fev, 2002.

VERDÚ, J; RUIZ, M. T. Control del Chagas en comunidades guaraníes: conocimiento y hábitos higiênicos dentro del Proyecto de Mejoramiento de Viviendas en Bolívia. Gaceta Sanitaria. v.17, n.2, p.166-168, 2003.

VILLELA, M. M; PIMENTA, D. N; LAMOUNIER, P. A; DIAS, J. C. P. Avaliação de conhecimentos e práticas que adultos e crianças têm acerca da doença de Chagas e seus vetores em região endêmica de Minas Gerais, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 25, n.8, p.1701-1710, Agosto, 2009.

WILLIAMS-BLANGERO, S; VANDEBERG, J. L; TEIXEIRA, A. R. L. Attitudes towards Chagas disease in an endemic Brazilian community. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 15 n.1, p. 7- 13, Jan – Mar, 1999.

World Health Organization. Chagas disease information. The UNICEF-UNDP-Programme on TDR. Disponível em: . Acesso em: 12/10/2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.